Fenômeno genético pode criar 'geração de obesos', diz estudo

16 de julho de 2008 • 11h58 • atualizado às 13h13

Da BBC Brasil

Estados Unidos


Cientistas americanos alertaram que a crise de obesidade enfrentada por vários países pode se agravar ainda mais por causa da influência de alterações químicas sobre genes que ocorre no útero de grávidas obesas.

» Obesos: espermatozóides têm qualidade inferior
» Obesos: descoberta variações genéticas
» Obesos contribuem para crise alimentar
» Obesidade pode dar multa no Japão"

Em outras palavras, o aumento na incidência de obesidade entre mães ameaça a saúde de gerações futuras, podendo resultar em uma epidemia de obesidade, disseram os cientistas.

Os pesquisadores constataram, em um estudo realizado com ratos, que mães obesas podem dar à luz filhos que se tornarão ainda mais gordos, resultando no aumento da obesidade através das gerações.

Os cientistas da Faculdade de Medicina Baylor, em Houston, no Estado americano do Texas, descobriram que não os genes em si, mas alterações químicas ocorridas no útero materno e que afetam a forma como os genes se expressam é que seriam responsáveis pelo fenômeno.Os cientistas conseguiram, entretanto, cancelar o efeito das alterações nos ratos através de uma dieta.

Útero

Nossos genes por si só não explicam totalmente porque somos de um determinado jeito - porque algumas pessoas desenvolvem câncer ou mal de Alzheimer e outras se tornam obesas, por exemplo.

Os cientistas acreditam que as condições no útero podem desempenhar um papel importante sobre o desenvolvimento do feto e determinar sua saúde no futuro. Nossos genes não podem ser mudados, mas há evidência de que o ambiente do útero pode mudar a forma como eles funcionam, como se expressam.

Especificamente, no útero podem ocorrer alterações químicas que controlam o nível em que determinados genes funcionam - fenômeno conhecido como epigenética.

Há fortes evidências de que o peso da mãe tem um impacto no futuro peso de seus filhos, mas as razões para isto não são totalmente compreendidas pelos cientistas. Os pesquisadores usaram um tipo de rato que, se alimentado com uma dieta normal, tende a engordar.

Um grupo desses ratos foi alimentado com uma dieta normal e o outro teve uma alimentação fortificada com vitaminas e ácido fólico, formulada para alterar o processo epigenético "silenciando" genes. Os ratos com uma dieta normal engordaram como era previsto e, gerações sucessivas ficaram progressivamente mais obesas.

Já na linhagem dos animais que receberam a dieta diferenciada não foi verificado um aumento de peso. "Há uma epidemia de obesidade nos Estados Unidos e isto está sendo cada vez mais reconhecido como um fenômeno mundial", afirmou Robert A. Waterland, que liderou o estudo, publicado no International Journal of Obesity.

"Por que todo mundo está ficando mais e mais pesado? Uma hipótese é que a obesidade materna antes e durante a gestação afeta o estabelecimento de mecanismos reguladores do peso em seu bebê. A obesidade materna pode promover obesidade na geração seguinte", alertou o especialista.

BBC Brasil - BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »