Queda do 4º andar é a pior para gatos, diz estudo

06 de junho de 2008 • 18h20 • atualizado às 18h20

Uma pesquisa da UNB mostra que os riscos para os gatos quando eles caem acima do 5º andar é menor que quando eles caem do 4º nível. A uma distância mediana eles têm dificuldades de virar e tocar o chão com as quatro patas, o que faz com que a queda do 10º andar ou do segundo provoque ferimentos parecidos, na maioria das vezes leves. A dificuldade específica dos gatos com essa distância foi chamada de síndrome do gato voador.

» Parque na Tailândia abriga 70 gatos com olhos de duas cores
» Lagartixas também caem em pé
» Proteína florescente faz gatos clonados brilharem no escuro
Segundo o médico veterinário da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB) Richard da Rocha Filgueiras, nos andares mais baixos, como 1º e 2º, o animal tende a cair naturalmente de pé, considerando a medida de 3,6 m para cada patamar.

Um pouco acima disso, o gato pode não conseguir trocar de posição, o que o faria colidir com o solo de costas ou lateralmente. "O perigo é maior porque pode ocorrer trauma intestinal ou pulmonar e hemorragia interna", diz.

Acima do 6º andar, o gato consegue girar e atingir o chão com as quatro patas, amortecendo o impacto. Isso não significa que o animal não se machuque. Em quedas maiores, as fraturas se concentram nas patas da frente e no queixo, que também bate na superfície, além de lesões na cavidade bucal.

Redação Terra
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »