Médicos aconselharam aborto de bebê saudável

26 de maio de 2008 • 14h25 • atualizado às 17h44

O bebê do casal britânico Leeann Phelan, 23 anos, e Stephen Crane, 32 anos, teria sido abortado se os dois tivessem seguido as recomendações de médicos. Segundo o site do jornal Daily Mail, eles foram informados que o bebê teria uma doença cerebral incurável, e nasceria morto ou com deficiências graves, mas decidiram levar adiante a gravidez, e seu filho nasceu saudável. "Pensar que nós poderíamos tê-lo perdido me faz gelar", disse a mãe.

» Menina de 9 anos carregava embrião da irmã gêmea no estômago
» Britânica de 40 anos dá à luz após diagnóstico de menopausa
» Uma em cada cinco gestações termina em aborto na Europa
» Fórum: opine sobre a decisão do casal

Na última sexta-feira, o casal recebeu os resultados de exames provando que o bebê, chamado Jayden, agora com seis meses de vida, não sofre de nenhuma anormalidade cerebral, o que comprova que ele recebeu um diagnóstico errado.

Com 20 semanas de gravidez, Leeann foi encaminhada de um hospital menor ao Hospital da Universidade King, em Londres. "Eles me disseram que um pedaço do cérebro do bebê estava faltando - a porção que controla os movimentos".

Pelo diagnóstico, Jayden teria uma síndrome chamada Dandy-Walker, de má formação cerebral congênita. O mal ocorre quando o cérebro não se forma adequadamente no útero e, após o nascimento, o portador tem movimentos seriamente afetados e crescimento excessivo do crânio.

A pressão aumentada no cérebro provoca problemas nos nervos que controlam olhos, rosto e pescoço, além de irritabilidade, vômitos, dificuldades respiratórias, convulsões e falta de coordenação muscular. "Eles disseram que o bebê não teria qualidade de vida e teria que ficar sempre numa cadeira", disse Leeann.

Por complicações da gravidez, o parto foi induzido e adiantado em 13 semanas. Jayden recebeu tratamento especial em hospital por três meses até poder sobreviver sem auxílio de aparelhos.

O episódio se destaca logo após membros do Parlamento desafiarem a opinião pública na semana passada e votarem pela manutenção dos atuais seis meses como prazo limite de aborto, apesar da pressão para reduzi-lo a 22 ou até 20 semanas.

No último sábado, um grupo pró-vida disse que o nascimento de Jayden é uma prova de que bebês podem sobreviver ao nascer com menos de 24 semanas.

Um médico dessa associação, Peter Saunders, afirmou que erros em diagnósticos ocorrem e provocam a pressão para o aborto. "A tragédia é que bebês normais são abortados. Esse caso é um exemplo contra o governo, que nega constantemente que os bebês sobrevivam com menos de 24 semanas."

"Eles disseram que eu poderia ter outros filhos e eu disse: 'não importa que eu possa ter outros filhos depois, eu não vou me livrar deste'", disse a jovem mãe.

Redação Terra
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »