Pesquisa quer mapear cérebro de jovens violentos

27 de janeiro de 2008 • 22h54 • atualizado às 23h10

Uma pesquisa desenvolvida por duas universidades do Rio Grande do Sul pretende usar exames de alta tecnologia para mapear o cérebro de jovens envolvidos em ações violentas. O objetivo é entender como a estrutura cerebral pode estar envolvida nos processos de violência, segundo o Fantástico.

» Opine sobre o assunto

Porém, parte da comunidade científica já se posicionou contrária às pesquisas. Sociólogos, educadores e advogados assinaram um manifesto em que afirmam que a pesquisa mascara o que chamam de "velhas práticas de extermínio e exclusão".

Para os idealizadores da pesquisa, eles estão exclusivamente ampliando as informações sobre o assunto e acreditam que não interessa a ninguém proibir o estudo.

A intenção dos pesquisadores é examinar 50 jovens de 15 a 21 anos, internados na antiga Febem por roubo, tráfico e homicídio. Usando uma máquina que faz a ressonância magnética funcional, os cientistas pretendem descobrir o que há de diferente no cérebro de um jovem homicida.

Com a apresentação de sons e imagens violentos, os estudiosos pretendem comprovar a suspeita de que os homicidas têm partes do cérebro atrofiadas, em especial o lóbulo frontal, que controla os impulsos humanos. Teoricamente, pessoas com este problema têm mais dificuldade para controlar seus instintos.

Especialistas em genética querem colher amostras de sangue dos jovens que mataram. A intenção é descobrir se algumas pessoas nascem predispostas à violência.

A pesquisa só poderá começar depois de ser analisada por uma comissão científica de professores universitários e por uma comissão de ética. Depende ainda da decisão do juizado de menores, que não informou se permitirá que os jovens sejam examinados. Por enquanto, só voluntários autorizados pelo pais poderiam se submeter à pesquisa.

Redação Terra
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »