Ancestral do canguru caminhava sobre quatro patas

06 de dezembro de 2007 • 04h10 • atualizado às 07h37

Uma pesquisa a partir da análise de um fóssil de 25 milhões de antiguidade demonstra que o ancestral do canguru, o animal-símbolo da Austrália, tinha presas e caminhava sobre quatro patas.

Ben Kear, paleontólogo da Universidade Trobe, de Melbourne, disse hoje que o fóssil, achado no estado de Queensland em 1990, pertence a uma nova espécie, o Nambaroo gillespieae. Ele era da extinta família balbaridae, antepassada dos atuais cangurus.

O "tataravô dos cangurus" era do tamanho de um cachorro pequeno e tinha o antebraço musculoso. Por isso, os cientistas concluíram que ele utilizava as patas dianteiras para galopar como um cachorro, explicou o especialista, um dos autores da pesquisa.

O animal tinha patas muito flexíveis com grandes dedos, o que indica que ele podia subir nas árvores e possivelmente comia frutas. Até agora só haviam sido estudados uma mandíbula e dentes de fósseis de outra espécie do mesmo grupo, achados no passado.

Kear explicou que há 10 ou 15 milhões de anos, quando na região onde agora fica a Austrália apareceram grandes áreas de gramados, o canguru cresceu, começou a saltar sobre suas patas traseiras e a comer erva.

"Este é o aspecto mais interessante da investigação. Diferentes grupos de cangurus foram substituindo uns aos outros, e suspeitamos que esta evolução foi paralela à evolução do clima", disse Kear.

Ele concluiu que os cangurus continuarão evoluindo no futuro, o que em grande medida dependerá também dos efeitos da mudança climática.

EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »