Pesquisas criam primeiros passos do teletransporte

28 de outubro de 2007 • 12h39 • atualizado às 18h14
Personagens vão de um lugar a outro num piscar de olhos na série  Jornada nas Estrelas Foto: Divulgação
Personagens vão de um lugar a outro num piscar de olhos na série Jornada nas Estrelas
26 de outubro de 2007
Foto: Divulgação

Pesquisas independentes na Áustria, Austrália e Dinamarca têm dado os primeiros passos no desenvolvimento de equipamentos de teletransporte. Os resultados ainda são rudimentares, e estão muito distantes do teletransporte clássico pelo qual as pessoas vão de um lugar a outro num piscar de olhos. Mas os pesquisadores envolvidos comemoram as conquistas.

» Animação explica o teletransporte
» Veja fotos do tema

Por enquanto, as pesquisas conseguiram trabalhar com o teletransporte quântico, como a transferência instantânea de fótons e átomos de um lugar para outro.

"O teletransporte foi idealizado para ser algo impossível de se conseguir. Entretanto, agora, sabe-se que é algo possível." A certeza é de Charles H. Bennett, da IBM Research, parte da equipe que foi pioneira no teletransporte quântico.

O conceito de teletransporte foi citado pela primeira vez pelo escritor Charles Fort, no livro Lo!, de 1941. Desde então virou tema recorrente em obras de ficção-científica como o filme A Mosca de 1986 e na série Jornada nas Estrelas.

Em entrevista à emissora CNN, Bennett desaponta os fãs da série ao explicar que o teletransporte de objetos e pessoas provavelmente não será alcançado a partir das atuais pesquisas. "Essa aura mística do teletransporte faz com que ele pareça algo muito complicado de se entender."

"Na verdade é mais simples do que parece. Nesse tipo de experimento que tem sido conduzido, o átomo em si não é transportado, mas sim a informação quântica desta partícula", explica.

Valerie Jamieson, editora de física da revista New Scientist também é cautelosa ao falar sobre os resultados do teletransporte quântico. "No teletransporte clássico, imaginamos, por exemplo, que, numa mesa de bilhar, uma bola que está girando desaparece de um ponto e se materializa em outro."

Jamieson conta que, no teletransporte quântico, as bolas continuariam no mesmo lugar, mas uma bola pára de girar e essa energia é passada para outra bola. "Para complicar as coisas, o processo de transporte destrói a bola original."

Mas essa pesquisa tem muito a contribuir com o cotidiano das pessoas, afirma o professor Neil Johnson do Departamento de Física da Universidade de Miami. Para ele, os resultados podem ser aplicados no desenvolvimento de disco rígidos com mais velocidade na hora de gravar os dados.

"Em tese, essa tecnologia poderia criar um disco com capacidade quase infinita e que acessasse informações numa velocidade próxima a da luz", aposta.

O teletransporte nas telonas
Bem antes de dar os primeiros passos no mundo real, o teletransporte teve papel de destaque no cinema. O pioneiro a levar o assunto para as telas foi o seriado de TV Jornada nas Estrela.

A frase "Beam me up, Scotty!", foi imortalizada pelo ator William Shatner, que vivia o capitão Kirk e era dita toda vez que ele desejava que o engenheiro-chefe da Enterprise o transportasse de volta à nave.

O teletransporte é um ícone tão presente na série, que em todas as suas franquias ele está presente.

Já o filme A Mosca, de 1986, e estrelado por Jeff Goldblum mostra o lado perigoso do equipamento ficcional. Na fita, Goldblum vive o cientista Seth Brundle que desenvolve um equipamento de teletransporte.

Durante um dos testes ele resolve usar-se como cobaia, sem perceber que uma mosca também entrou na célula de transferência. O teletransporte ocorre sem problemas. Mas a presença da mosca faz com que os dois sejam misturados. O cientista começa a passar então por uma horripilante metamorfose.

Redação Terra
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »