Expedição vai medir a extensão do rio Amazonas

22 de maio de 2007 • 11h39 • atualizado às 11h39

Qual é o maior rio do mundo? Será o Nilo, na África, ou o Amazonas, no Brasil? Em busca da resposta, a expedição científica À Nascente do Rio Amazonas partiu nesse domingo em direção ao Peru, para medir a extensão do rio.

Durante os dez dias da expedição, os pesquisadores e documentaristas brasileiros terão o apoio de cientistas peruanos. A equipe quer identificar a verdadeira origem do rio Amazonas, onde ele começa a correr de fato. Eles vão coletar dados das principais quebradas, também chamadas de córregos, que originam as águas do Amazonas.

Para realizar a tarefa, a equipe vai dispor de carros com tração, do tipo 4x4, e em alguns momentos terão de percorrer parte do trajeto a pé. A aventura vai exigir um pouco mais da equipe: na subida de montanhas eles terão de praticar montanhismo ou alpinismo. Eles serão guiados por especialistas peruanos em andinismo.

Paulo Roberto, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), considera a expedição importante. "Acho que é importante, na medida em que, a gente aprende a conhecer o planeta de uma maneira melhor. No caso, por exemplo do Amazonas, a gente sabe que esses nevados os picos nevados dos Andes são indicadores de mudanças climáticas."

O pesquisador ressalta que um dos trabalhos é desenvolver um método universal de medição que permita usar novas tecnologias como as imagens de satélite e o geoprocessamento. Esse novo método será aplicado a qualquer rio do planeta.

As medições existentes adotam procedimentos que seguem a corrente do rio de maior vazão e não de maior comprimento. Nessa análise, o rio Amazonas, segundo dados do Inpe, pode chegar a mais de 6,8 mil m de comprimento.

Depois da expedição, os integrantes se reunirão com cientistas peruanos para chegar a um consenso sobre a extensão do Rio Amazonas.

Agência Brasil
 
Enviar para amigos
Fechar por:
Enviar para amigos
Fechar por:

Imprimir

Fechar
Mais vistos

Notícias

  1. Carregando...
leia mais notícias »