PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Pode haver vida em 60 bilhões de exoplanetas na Via Láctea, diz estudo

Cientistas acreditam que pode existir número muito maior de planetas com capacidade de sustentar vida do que antes estimado

4 jul 2013 - 11h22
(atualizado às 11h32)
Compartilhar
Exibir comentários
<p>Ilustra&ccedil;&atilde;o mostra uma simulada cobertura de nuvens (em branco) sobre um planeta (azul) orbitando uma estrela an&atilde;-vermelha: condi&ccedil;&otilde;es podem ajudar sistema a abrigar vida ao gerar calor</p>
Ilustração mostra uma simulada cobertura de nuvens (em branco) sobre um planeta (azul) orbitando uma estrela anã-vermelha: condições podem ajudar sistema a abrigar vida ao gerar calor
Foto: Jun Yang / Divulgação

Apesar de apenas alguns exoplanetas potencialmente habitáveis terem sido detectados até hoje, cientistas afirmam que o universo deve estar repleto de mundo alienígenas capazes de abrigar vida. A Via Láctea sozinha pode ter 60 bilhões desses planetas em torno de estrelas anãs-vermelhas, conforme aponta uma nova estimativa.

Baseando-se em informações do "caçador de planetas" Kepler, telescópio espacial utilizado pela Nasa - a agência espacial americana - para a busca de exoplanetas, cientistas calcularam que deve haver um planeta do tamanho da Terra na zona habitável de cada anã-vermelha, o tipo de estrela mais comum. Agora, porém, um grupo de pesquisadores dobrou essa estimativa, depois de considerar que a cobertura de nuvens pode ajudar um mundo alienígena a sustentar formas de vida.

"As nuvens provocam aquecimento e tornam a Terra mais fria", afirmou em um comunicado o cientista Dorian Abbot. "Elas refletem a luz do Sol para esfriar as coisas, e absorvem radiação infravermelha da superfície para fazer o efeito estufa. Isso é parte do que torna o planeta quente o suficiente para abrigar vida", disse o pesquisador da Universidade de Chicago.

A zona habitável é definida como a região onde o planeta conta com temperatura adequada para conservar água em estado líquido na superfície - o que, segundo se entende, é uma condição necessária para o desenvolvimento das formas de vida como as conhecemos. Se o planeta está muito distante de sua estrela, a água congela; se está muito próximo, a água evapora. Como as anãs-vermelhas são mais escuras e frias que o nosso sol, sua zona habitável é mais "aconchegante" que a do Sistema Solar.

Espaço em junho: cientistas encontram 'super-Terras' em torno de estrela

Fonte: Informações do portal Space.com
Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade