1 evento ao vivo

Nasa volta olhar à Lua, desta vez com intenção de ficar

20 jul 2009
09h17
atualizado às 11h56

Quase quatro décadas depois da última visita, a Nasa voltou mais uma vez sua atenção à Lua, e iniciou a busca de locais para instalar no futuro uma base que sirva de escala para viagens mais distantes. No entanto, os objetivos podem ir além. John Olson, diretor de exploração da Nasa, fala sobre os planos da agência para viagens ao espaço com um bilhete só de ida. As informações são do jornal Guardian.

Segundo Olson, as agências espaciais do mundo, ou as empresas comerciais poderão emitir um bilhete de ida para o espaço, com viajantes voluntários que não queiram voltar.

A perspectiva de passar anos em uma nave espacial não vai dissuadir as pessoas de participar do projeto. "Você vai encontrar muitos voluntários", disse Olson.

Em maio de 1961, o então presidente John F. Kennedy desafiou os EUA a colocar um homem na Lua até o final da década e devolver-lhe com segurança à Terra. A Apollo 11 levou os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin à Lua em 20 de julho de 1969. Agora, a Nasa espera interesse nos voos tripulados e conquistar apoio para um investimento maciço em novas viagens ao espaço.

Se, como afirma Olson, o homem pode chegar Marte até meados deste século, engenheiros e astronautas podem, então, definir as suas vistas sobre os planetas, estrelas e luas.

"Estamos indo para usar a lua como um trampolim para Marte e vamos olhar para outros lugares interessantes, como asteróides", disse ele. Desde o discurso do Kennedy, os EU perdeu 17 astronautas. Três moreram em um incêndio durante o início dos testes para o programa Apollo e 14 morreram nos destroços do ônibus espacial Challenger e Columbia.

Nasa está atualmente vinculada ao discurso do então presidente de trazer os astronautas de volta para casa, disse Olson. No entanto, existe outras nações com programas em rápido desenvolvimento. "Espaço não é mais por poder e prestígio, é verdadeiramente para benefício econômico", disse o diretor de voo da Apollo 11, Eugene Kranz.

Com a tecnologia atualmente previsível, uma viagem de ida e volta para Marte lançado a partir de um posto avançado lunar poderá ser realizada em dois a três anos - uma viagem de seis a nove meses em cada sentido e um ano de missão na superfície.

Fonte: Redação Terra

compartilhe

publicidade