2 eventos ao vivo

Multimilionário procura casal para viajar a Marte em 2018

28 fev 2013
00h34
atualizado às 00h38
  • separator
  • comentários

O multimilionário turista espacial Dennis Tito procura dois empregados para o seu novo projeto aeronáutico: uma viagem a Marte em 2018.

Tito prefere que os dois funcionários sejam um casal e que já tenham idade avançada, uma vez que os astronautas podem ser expostos a altos níveis de radiação que afetariam sua capacidade reprodutora.

Segundo indicou nesta quarta-feira Taber MacCallum, membro da missão e um dos candidatos, o projeto consiste em uma viagem de ida e volta a Marte, com 501 dias de duração, que representaria um marco na história espacial e aconteceria em 2018, embora possa sofrer atrasos.

Os requisitos de Tito, que se tornou o primeiro turista espacial a visitar a Estação Espacial Internacional, o que ocorreu em 2001, foram pensados para pessoas que terão de conviver em um espaço reduzido durante mais de um ano.

Embora pareça incrível, Tito já tem dois candidatos ao posto: Taber MacCallum e sua esposa, Jane Poynter, que também trabalham no projeto. Apesar disso, o multimilionário deixou claro que a lista de candidatos segue aberta.

MacCallum e Jane são co-fundadores da Paragon Space Development Corporation, uma empresa especializada em sistemas de suporte para as naves espaciais.

Sua experiência os levou a fazerem parte do projeto de Tito, batizado de "Missão América", mas a casualidade quis que também cumprissem os requisitos impostos pelo multimilionário, já que ela tem 50 anos e ele, 49.

"Quando dizemos às pessoas que estamos propondo enviar um homem e uma mulher a Marte, como um casal, as pessoas fazem fila", disse MacCallum, antes de explicar que Tito pretende que a equipe faça parte da primeira viagem da humanidade ao planeta vermelho.

Por fim, os idealizadores do projeto lembram que o prazo de 501 dias em um espaço reduzido não é o único desafio, pois a viagem pode implicar níveis de exposição à radiação superiores aos limites da Nasa, o que multiplicaria as chances de contrair câncer.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade