PUBLICIDADE

Falta de gravidade debilita o sistema imunológico dos astronautas

27 fev 2013 - 12h22
(atualizado às 14h43)
Ver comentários
Publicidade

As perturbações do sistema imunológico dos astronautas nos voos espaciais, um problema identificado desde as primeiras missões, podem ser atribuídas à falta de gravidade, segundo um estudo de cientistas franceses e luxemburgueses.

"Queríamos saber o motivo do sistema imunológico se debilitar depois das missões espaciais", explica à AFP o professor Jean-Pol Frippiat, da Universidade de Lorraine de Nancy (leste da França), que coordenou o estudo, iniciado em 2005.

"Em um voo espacial há muitas modificações do entorno, muitos fatores de estresse: a microgravidade, a hipergravidade durante a decolagem, choques térmicos, perturbações vinculadas à alternância de dia e noite", afirma.

O problema é observado desde as primeiras missões lunares americanas Apollo, nos anos 1960 e 1970. Para descobrir qual era o fator determinante, os cientistas enviaram à Estação Espacial Internacional (ISS) ovos de pleurodeles, uma espécie de salamandra.

"Depois reproduzimos em terra cada um destes fatores de estresse, em condições espaciais, com os animais. Em cada oportunidade, estudamos a produção de anticorpos", explicou o cientista.

Ao fim do estudo, os cientistas constataram que apenas a falta de gravidade influencia nos anticorpos, de forma quantitativa e qualitativa. "Alguns aumentam e outros diminuem", explicou o professor Frippiat.

A fragilidade do sistema imunológico é a razão pela qual os cientistas colocam os astronautas em quarentena antes da decolagem. Jean-Pol Frippiat advertiu ainda para os riscos à saúde representados pelas viagens longas ao espaço.

"Atualmente, as missões à ISS são de curta ou média duração. Por exemplo, para uma viagem de 10 dias precisamos de 15 depois do retorno para que o sistema imunológico se normalize. Mas não conhecemos os efeitos de uma viagem muito longa ao espaço", observa.

O estudo foi publicado na revista americana The Faseb Journal, em cooperação com cientistas da Universidade de Luxemburgo.

O astronauta holandês André Kuipers corre na esteira da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) - os tripulantes devem se exercitar duas vezes por dia para evitar perda de massa muscular e densidade óssea, efeitos colaterais da microgravidade. Kuipers faz sucesso no Twitter e no Flickr ao divulgar imagens de como é a vida na ISS. Veja a seguir algumas das imagens divulgadas pelo holandês
O astronauta holandês André Kuipers corre na esteira da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) - os tripulantes devem se exercitar duas vezes por dia para evitar perda de massa muscular e densidade óssea, efeitos colaterais da microgravidade. Kuipers faz sucesso no Twitter e no Flickr ao divulgar imagens de como é a vida na ISS. Veja a seguir algumas das imagens divulgadas pelo holandês
Foto: André Kuipers/ESA/Nasa / Divulgação

 

Veja alguns efeitos que a falta de gravidade tem no corpo

Astronautas sofrem de osteoporose a envelhecimento

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade