publicidade
02 de setembro de 2012 • 13h32 • atualizado às 13h38

Cientistas estudam como evitar colisão de asteroide com a Terra

Cientistas estudam como evitar colisão de asteroide com a Terra

 
Fernanda Morena
Direto de Pequim

No ano passado, foi anunciado um investimento de 4 milhões de euros para o estudo de asteroides próximos à Terra (NE, na sigla em inglês). Capitaneado por sete países, a pesquisa aguarda aprovação da Nasa - a agência espacial americana - para a liberação de uma missão espacial. Contudo, cientistas dizem que, mesmo que conheçamos os objetos em rota de colisão com nosso planeta, não é tão fácil impedir uma colisão.

"As missões têm como objetivo verificar com mais precisão a formação das rochas, que é o que mais nos preocupa", explica Patrick Michel, diretor de pesquisa do Observatório da Costa Azul, na França, durante a 18ª Assembleia Geral da União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês).

Conforme o astrofísico, a Terra recebe diariamente o equivalente a 10 mil t de rochas e detritos. Rochas maiores, no entanto, com poder de causar grandes estragos são remotas. "Não há ainda evidências de ameaça de colisões em escala regional para os próximos 20 anos. Para colisões que causariam estrago global, as chances diminuem para um ou dois séculos."

De todos os corpos encontrados que poderiam se chocar contra o planeta, 90% deles tem 1 km de diâmetro, o que os tornaria capazes de destruir 25% das espécies vivas. "O maior problema seriam os asteroides menores, de 300 m de diâmetro, que ainda não conseguimos mapear."

Estes corpos, no entanto, dificilmente causariam a morte de populações, diz Michel. "As pessoas tendem a viver em grupos, e há ainda muito do nosso planeta composto por água, florestas e desertos. Se uma dessas rochas viesse a colidir com a Terra, as chances de que matassem espécies vivas seria muito pequena."

As pesquisas de asteroides NE e colisões estão crescendo nos últimos anos, tendo encontrado mais de 8 mil objetos, porém as soluções para evitar uma possível colisão ficam cada vez mais complicadas.

"No nosso grupo descobrimos que não só o tamanho da rocha, mas também sua composição interna que deve ser avaliada", conta Michel. Isso porque as rochas mais porosas (com mais buracos na sua composição) têm menos chances de explodir e se dividir em milhões de pequenas rochas, ao passo que rochas menos porosas perdem menos energia em forma de calor e, assim, causam estragos maiores.

Dentre as opções para contenção e destruição de um asteroide potencialmente ameaçador, estão a destruição por energia nuclear (a menos indicada); o desvio por impacto cinético; e tração gravitacional.

Todas as opções têm vantagens e desvantagens. "Com o desvio por impacto, por exemplo, é preciso saber muito sobre a composição do elemento, pois não sabemos se é uma massa como uma esponja ou uma rocha dura que poderia explodir em milhões de pedaços", diz Michel.

A tração gravitacional, que planeja o desvio do asteroide de sua rota ao enviar uma nave que o atraísse pela gravidade, exige a cara construção de um objeto que tem de ser grande o suficiente para funcionar ou estudos exatos o suficiente para definir que o corpo em questão seja pequeno o suficiente.

A incerteza dos dados se dá sempre após uma descoberta. E isso não quer dizer que os astrônomos erraram nos cálculos, aponta Michel. "O espaço é incerto. Então, quando analisamos uma área e identificamos objetos e suas rotas, podemos prever o que acontecerá depois. O problema é que vários fatores influenciam nesse processo e acabam mudando a trajetória, invalidando as possibilidades de que haja uma colisão."

Para ter mais certeza sobre a ciência das colisões de asteroides NE, é preciso a injeção massiva de recursos para testes e missões. "O que temos agora é ótimo no papel, mas não é nada concreto. Não há um plano."

Com os 4 milhões de euros orçados, o grupo de cientistas liderado por Michel consegue apenas fazer análises e equações preliminares. Estudos mais aprofundados exigiriam um aporte de, no mínimo, 350 milhões de euros para a criação de uma missão espacial. "Com 4 milhões, não conseguimos nem mesmo fabricar um pequeno instrumento necessário para os testes", reflete o astrofísico.

Caso 2011 AG5
O asteroide descoberto em 2011, batizado de AG5, tem uma em 500 chances de colidir com a Terra em 2040. Com cerca de 140 m de diâmetro, a trajetória atual do corpo aponta que, em 2023, ele estará muito próximo do nosso planeta.

"É bem provável que conseguiremos lavar as nossas mãos sobre uma colisão depois que recebermos as informações mais completas do Hubble em 2016", prevê Giovani Gronchi, líder do projeto que estuda as atividades do 2011 AG5.

Em setembro de 2013, o asteroide estará próximo o suficiente da Terra e poderá, então, ser observado pelo Hubble. Com base nos dados atuais, o asteroide passaria pelo key-hole (área onde a gravitação do planeta muda a trajetória de um corpo) em 2023. "Se ficar comprovado que o AG5 passará pelo key-hole, então teremos de trabalhar com possibilidades de planos de contingência pós-passagem, que poderia envolver mesmo o desvio do asteroide"

Caso 1999 RQ36
Esse é o novo objeto de estudo da Nasa de asteroides NE. Trabalhado em uma escala de tempo secular, as previsões indicam uma possível colisão em 2135. Com um diâmetro de meio quilômetro, o asteroide se aproxima da Terra a cada seis anos e, depois, distancia-se novamente.

A Nasa está organizando uma missão espacial para 2016 para observar a rocha, que se aproximará da Terra novamente em 2017.

"Na escala em que estamos trabalhando, por enquanto não há nem mesmo chances de uma colisão com outros objetos no espaço. Em outras escalas de tempo, talvez possa haver uma chance, mas então a Terra receberia talvez apenas chuvas de meteoros", explica o astrônomo americano Robert Jedicke.

Especial para Terra