0

Brasil estaria emperrando construção de supertelescópio

Brasil precisa de R$ 566 milhões para se tornar membro pleno do Observatório Europeu do Sul

18 jan 2012
16h46
atualizado às 17h55

A construção de um dos maiores telescópios do mundo na localidade de Serro Amazones, no norte do Chile, prevista para ocorrer com a ajuda financeira do Brasil, está parada. O Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), responsável pelo projeto Extreme Large Telescope, alega como um dos motivos a falta de repasse de verbas combinadas com o País.

Concepção artística de Corot-7b. Este exoplaneta fica tão próximo de sua estrela que a temperatura na superfície chega a 2 mil °C na "face do dia", enquanto na "face da noite" chega a -200°C. Modelos indicam que o planeta tem muita lava ou oceanos ferventes na superfície. A concepção mostra como seria segundo o primeiro modelo
Concepção artística de Corot-7b. Este exoplaneta fica tão próximo de sua estrela que a temperatura na superfície chega a 2 mil °C na "face do dia", enquanto na "face da noite" chega a -200°C. Modelos indicam que o planeta tem muita lava ou oceanos ferventes na superfície. A concepção mostra como seria segundo o primeiro modelo
Foto: ESO/L. Calcada / Divulgação

De acordo com o ministério brasileiro de Ciência e Tecnologia (MCT), a entrada do País no consórcio, acordada em 29 de dezembro de 2010, estava prevista para custar 250 milhões de euros (equivalente a quase R$ 566 milhões) ao longo de 11 anos. Contudo, durante ajuste orçamentário realizado pelo governo em 2011, o volume foi considerado elevado e o projeto foi reavaliado, encontrando-se em fase final de conclusão para ser enviado ao Congresso Nacional.

Para que as obras comecem, o ESO aguarda a confirmação do acordo que torna o Brasil o 15º membro pleno da instituição e o primeiro País de fora da Europa. O telescópio custará cerca de 1,2 bilhão de euros.

"O desejo do Brasil é participar de todo o programa do ESO. É imprescindível que haja transferência de tecnologia e participação da indústria brasileira, o que exigirá um processo de negociação amplo a partir da ratificação do acordo", afirma o MCT em nota oficial.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade