1 evento ao vivo

Após queda de meteorito na Terra, asteroide passará raspando hoje

15 fev 2013
09h26
atualizado às 09h31
  • separator
  • comentários

Em 1908, a queda de um asteroide de 40 metros de diâmetro em Tugunska, na Sibéria, destruiu uma floresta de 2 mil quilômetros quadrados. A cidade de São Paulo, por exemplo, tem 1,5 mil quilômetros quadrados. Nesta sexta-feira, 15 de fevereiro, um meteorito caiu na Rússia e deixou, segundo dados ainda preliminares, pelo menos 500 feridos . E ainda hoje, um asteroide ainda maior do que o "siberiano", passará raspando (por definição cosmológica) pela Terra, imiscuindo-se entre satélites comerciais e delineando cenário digno de filmes de Hollywood. Neste caso, não será necessário chamar Bruce Willis e sua trupe de mineradores, como em Armageddon . Mas, no futuro, é possível que alguns asteroides precisem de uma ajudinha para desviar do nosso planeta.

<p>Asteroide passará perto da Terra, porém sem oferecer perigo</p>
Asteroide passará perto da Terra, porém sem oferecer perigo
Foto: NASA / Reprodução

Segundo estimativas da Nasa, há 500 mil asteroides desse tamanho “próximos da Terra”. Desses, apenas 1% foram descobertos. "Não é ficção científica", diz Ulisses Capozzoli, editor da Scientific American e doutor em ciências pela Universidade de São Paulo (USP). "Esse asteroide serve para acender o sinal amarelo - quase laranja", adverte.

Por outro lado, o astrônomo Naelton Mendes de Araújo, da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro, trata de tranquilizar aqueles que já estão de olhos arregalados e refazendo os planos para o futuro: "Grandes asteroides podem ser vistos de muito longe, e podemos prever sua trajetória com muita antecedência. Por isso, não há motivo para preocupação. Nenhum corpo celeste (asteroide ou cometa, de grandes proporções - o meteorito que caiu na Rússia ainda não foi medido, mas seria um corpo menor) foi identificado em rota de colisão com a Terra até hoje".

2012 DA14
O visitante deste dia 15 de fevereiro se chama 2012 DA14. Esse NEO (near-Earth Object, em inglês, ou seja, objeto próximo da Terra) possui 45 metros de diâmetro. Trata-se da primeira vez que um bólido desse tamanho em trajetória tão próxima do nosso planeta é previsto pelos radares. Às 17h24 (horário de Brasília), ele vai chegar mais perto da Terra (a 27,7 mil quilômetros) do que muitos satélites comerciais. Sabe-se que ele não vai atingir o nosso planeta, mas há chance de que ele colida com algum satélite.

Se um asteroide com essa dimensão colidisse com o planeta, liberaria 2,5 megatons de energia e provocaria uma devastação regional, de acordo com a Nasa. Conforme a agência espacial americana, asteroides desse tamanho passam assim tão perto da Terra a cada 40 anos e, em média, um deve atingir o planeta a cada 1,2 mil anos.

O nome, 2012 DA14, revela que esse asteroide foi descoberto no ano passado. Uma equipe do La Sagra Sky Survey, no Observatório Astronômico de Mallorca, na Espanha, identificou o bólido no dia 23 de fevereiro de 2012. A observação foi repassada ao Minor Planet Center, onde registros de todos os observatórios são guardados. Além do DA14, outros corpos passarão perto do Planeta este ano.

Soluções
Se o registro do asteroide contivesse a perspectiva de uma colisão com a Terra, o problema seria grande. E o tempo para resolvê-lo, curto. Em menos de um ano, as agências espaciais teriam de alinhavar uma solução para desviar ou destruir o objeto, a fim de que ele não provocasse danos à Terra. "No momento, não há uma solução definitiva", afirma Capozzoli. "Os governos têm a obrigação de levantar essa questão, que talvez tivesse de ser levada até a ONU". Apesar de existirem diversos planos diferentes para o caso de um asteroide entrar em rota de colisão com a Terra, não há definição nem garantia de que essas medidas funcionariam para impedir o temido contato.

<p>Simulação do 2012 AD14</p>
Simulação do 2012 AD14
Foto: NASA / Reprodução

Filmes como Armageddon apresentaram a ideia de que a destruição do asteroide com uma bomba nuclear pudesse se constituir de ideia razoável. O problema, nessa abordagem, é que o asteroide seria fragmentado e resultaria milhares de detritos que poderiam atingir a Terra.

De acordo com Araújo, o caminho mais adequado seria desviar o asteroide. "Se identificamos um corpo celeste com antecedência, basta uma mudança pequena na sua velocidade e direção para que não atinja a Terra", garante. "Não seria necessário destruir o asteroide. Bastaria levar pequenos foguetes à superfície do corpo. Uma vez ancorados os motores à superfície, poderíamos fazer pequenas correções na órbita". Segundo ele, essa tecnologia já é possível.

Apophis
Um dos asteroides mais ameaçadores registrados nos últimos anos se chama 99942 Apophis. Cientistas renomados, como o astrofísico Neil de Grasse Tyson, diretor do Hayden Planetarium, de Nova York (EUA), alertaram para a necessidade de uma preparação maior para o caso desse "killer asteroid" entrar em rota de colisão com a Terra. Em 2036, o gigante, sete vezes maior do que o 2012 DA14, poderia mergulhar no Oceano Pacífico, na Costa Oeste dos Estados Unidos, e gerar tsunamis devastadores com, no mínimo, danos bilionários às propriedades, caso a população fosse alertada e devidamente removida de toda a costa.

Por sorte, dados mais recentes, revelados no mês passado, mostraram que a probabilidade de impacto é menor do que 1 em 1 milhão. "Com os novos dados providos pelos observatórios de Magdalena Ridge e Pan-STARRS, acompanhados de dados do Golstone Solar System Radar, nós efetivamente descartamos a possibilidade de um impacto com a Terra do Apophis em 2036", disse Don Yeomans, gerente do escritório do programa Near-Earth Object da Nasa.

<p>Nasa divulgou imagem de simulação da passagem do asteroide 2012 DA14. Agência vai monitorar o asteroide</p>
Nasa divulgou imagem de simulação da passagem do asteroide 2012 DA14. Agência vai monitorar o asteroide
Foto: NASA / Reuters

Potencialmente perigosos
O Apophis não é único. Há asteroides de tamanhos tão variados quanto 20 metros e 900 quilômetros de diâmetro. Estima-se que o asteroide que teria liquidado os dinossauros possuísse 10km de diâmetro. Ao todo, a Nasa classifica mais de 4,7 mil objetos próximos da Terra como "potencialmente perigosos". Nessa conta, entram todos os bólidos espaciais maiores do que 100 metros de diâmetro, suficientemente grandes para resistir à entrada na artmosfera terrestre e de órbita relativamente próxima da do nosso planeta. "Mas isso não significa que irão colidir com a Terra - apenas devem ser acompanhados com atenção", explica Araújo."Depois que o Apophis deixou de ser uma ameaça, não conheço nenhum outro candidato a impacto".

O problema é justamente esse. Os maiores asteroides são descobertos antes. Dependendo do tamanho do asteroide e de outros fatores, contudo, ele pode ser detectado com apenas dias ou meses de antecedência. Por isso, Capozzoli defende um maior investimento na defesa contra possíveis bólidos espaciais, com o aumento do número de observatórios e uma discussão maior sobre o tema.

Missões
Com um período tão pequeno entre a detecção e o impacto, não haveria tempo de debater soluções. A preocupação, porém, esbarra nos cortes de verbas de agências como a Nasa, afetada pela crise financeira dos Estados Unidos. Atualmente, a agência tem duas missões relacionadas a asteroides: a sonda Dawn, que se encontra em órbita com o asteroide Vesta e a caminho do planeta-anão Ceres, no cinturão de asteroides, e a espaçonave OSIRIS-REx, com lançamento previsto para 2016, e o objetivo de coletar amostras de asteroides próximos da Terra. Apenas na década de 2020 deve haver uma missão tripulada a um asteroide.

Até que se estude com mais acurácia a formação dos asteroides e sua composição, diversas alternativas para destruí-los ou desviá-los seguem em análise. Duas delas, que se utilizam de luz solar, são bastante peculiares. "A primeira seria usando espelhos que focalizariam a luz sobre um ponto da superfície vaporizando a rocha (ou gelo) e criando uma espécie de jato de gás que agiria como um motor foguete", conta Araújo. "Outra maneira ainda mais curiosa seria pintar algumas partes do asteroide com um pigmento branco refletor. A luz solar exerceria uma pressão de radiação cuja pequena aceleração seria suficiente para desviar o corpo e evitar o impacto".

Foto:

Guarda Espacial
Uma das organizações que analisa esses bólidos é a Space Guard, centro britânico que se dedica à detecção de asteroides e cometas e à proteção da Terra em caso de colisão. Ela introduz assim a preocupação com asteroides próximos do nosso planeta: "Quando nós vimos outros planetas do Sistema Solar pela primeira vez, ficou claro que algo estava acontecendo. Toda a superfície sólida e estável que víamos estava coberta de crateras... Havia evidências de bombardeamentos massivos do espaço - exceto na Terra".

Porém a tecnologia permitiu vislumbrar uma realidade mais assustadora: "Então nós começamos a olhar para a Terra de fora, usando satélites e espaçonaves, e tudo mudou de novo. Crateras de todo tipo começaram a aparecer... Fica muito claro que esse bombardeamento não terminou há milhares de anos. Esse é um problema que nós ainda enfrentamos".

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/educacao/infograficos/vcsabia-quedas-bizarras/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://www.terra.com.br/noticias/educacao/infograficos/vcsabia-quedas-bizarras/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;
GHX Comunicação GHX Comunicação

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade