1 evento ao vivo

Elefante que "fala" coreano é estudado por pesquisadores

1 nov 2012
14h16
atualizado às 14h36

Um elefante asiático chamado Koshik consegue imitar a voz humana, falando palavras em coreano que podem ser prontamente entendidas por qualquer pessoa que conhece a língua. O elefante "fala" da forma mais inesperada: com a tromba dentro da boca.

Pesquisadores gravaram as reproduções vocais do elefante no zoológico Everland, na Coreia do Sul
Pesquisadores gravaram as reproduções vocais do elefante no zoológico Everland, na Coreia do Sul
Foto: Current Biology / Divulgação

De acordo com a publicação de pesquisadores no periódico Current Biology, o vocabulário do animal consiste em cinco palavras: olá, sente, não, deite e bom. Com o tempo a linguagem de Koshik pode fornecer importantes descobertas à biologia e à evolução do aprendizado complexo da fala, uma habilidade, segundo pesquisadores, crítica para os humanos e a música.

"A fala humana basicamente possui dois aspectos: tom e timbre", afirma Angela Stoeger, da Universidade de Viena. "Intrigantemente, o elefante Koshik é capaz de combinar o tom e o timbre e imitar a voz humana de seus treinadores. Isso é muito importante, considerando o tamanho do animal, sua extensão vocal e outras diferenças anatômicas entre um elefante e uma pessoa", explica.

Segundo Angela, enquanto a grande laringe dos elefantes produz sons de tom mais baixo, a fala de Koshik imita exatamente o tom e outras características de seu treinador humano. Uma análise estrutural da fala do animal mostrou não apenas similaridades claras a uma voz humana, mas também diferenças do chamado geral dos elefantes.

O artigo explica que outros estudos foram feitos sobre a mímica vocal tanto em elefantes africanos como em asiáticos. Sabe-se, portanto, que esses animais africanos são capazes de imitar o som de motores de caminhão, e que um macho asiático do zoológico no Cazaquistão reproduziu um "discurso" tanto em russo como em cazaque, língua originária do país, mas o caso nunca foi cientificamente investigado.

No caso de Koshik, a equipe de Angela Stoeger confirmou que o animal imitava a língua coreana em diversas maneiras. Primeiro, eles pediram a nativos que escrevessem o que escutassem das gravações feitas dos sons emitidos do elefante. "Encontramos uma combinação alta dos sons com as palavras existentes de fato", afirmou Angela. Porém, até onde os cientistas entendem, o elefante não sabe exatamente o que está falando.

Não está completamente claro o por que Koshik adotou tal comportamento, mas pesquisadores sugerem que pode ser algo relacionado com sua juventude, quando era o único elefante vivendo no zoológico Everland, na Coreia do Sul, por aproximadamente cinco anos - um período importante para o desenvolvimento desses animais. Humanos, portanto, eram seus únicos contatos sociais no estabelecimento.

"Achamos que Koshik começou a adaptar suas vocalizações às suas companhias humanas para fortalecer afiliações sociais - algo que também é visto em outras espécies capazes de aprender novos sons - ou em casos especiais, entre espécies cruzadas", afirmou Angela.

Fonte: Terra
publicidade