Ciência

publicidade
05 de janeiro de 2013 • 14h40 • atualizado às 16h59

Confira as 5 maiores erupções vulcânicas da história

 

Apesar da tecnologia para prevenir e monitorar emissões de gases e explosões, erupções entraram para a história por sua grandeza, destruição ou mesmo pelos transtornos que provocaram na vida de milhões de pessoas. Cientistas estimam que existam mais de 550 vulcões ativos na terra. Mas os vulcões não são exclusividade do nosso planeta e o maior em todo o sistema solar está em Marte. É o Monte Olimpo, com 26 quilômetros de altitude e uma base de aproximadamente 550 quilômetros de diâmetro. Apesar de gigante, o vulcão é inativo. No Brasil também existe um vulcão, no arquipélago de Fernando de Noronha, considerado inativo.

Mas outros vulcões não são tão calmos e estão sob constante observação. Cientistas monitoram as atividades dos vulcões para evitar que a força das erupções provoque vítimas. Como o Futurando mostrou, até mesmo a atividade de vulcões subterrâneos pode provocar danos, dando origens a tsunamis. Apesar de toda a tecnologia que ajuda a prever e monitorar as emissões de gases e explosões, algumas erupções entraram para a história por sua grandeza, poder de destruição ou mesmo pelos transtornos que provocaram na vida de milhões de pessoas.

1. Monte Tambora, na Indonésia
A erupção de 1815 do Monte Tambora é considerada o maior evento do gênero nos últimos dez mil anos e matou mais de 70 mil pessoas, seja pela ação direta da explosão ou por doenças e problemas subsequentes. A quantidade de cinzas expelida pelo vulcão de 2850 metros de altitude provocou alterações no clima por dois anos, por criar uma barreira aos raios solares. O ano seguinte à erupção ficou conhecido como "o ano sem verão", por conta da queda da temperatura entre 0,4 e 0,7 graus centígrados no Hemisfério Norte. Geadas e mesmo neve em pleno verão causaram quebras nas safras e trouxeram fome a muitas regiões do planeta.

2. Vesúvio, na Itália
A destruição de Pompeia e Herculano, no ano de 79 d.C., foi consequência de uma fortíssima erupção vulcânica.  Cerca de 16 mil pessoas morreram e o acúmulo de lava e cinzas varreu as duas cidades do mapa. Foi apenas no século 18 que escavações por acaso revelaram sua existência. Hoje, são importantes destinos turísticos na Itália. Pesquisas recentes dão conta que, diferente do que se imaginava, a maior parte das pessoas não morreu por asfixia ou intoxicação, mas em decorrência de uma fortíssima onda de calor – de cerca de 250º C – que se seguiu à explosão. Desde então, registros apontam que o vulcão já entrou em erupção cerca de 50 vezes e é até hoje considerado um dos mais perigosos do mundo.

3. Etna, na Itália
O maior vulcão da Europa raramente adormece e a população que vive nas férteis terras que o contornam, em Catania, na Sicília, já se habituou a ver a montanha de 3330 metros de altitude expelir fumaça com frequência. A atividade do vulcão é praticamente incessante, mas a última erupção propriamente dita foi registrada em janeiro de 2011, com um derramamento de lava que durou 42 minutos. Colunas de fumaça e cinzas subiram por vários quilômetros sobre o vulcão. Registros dão conta das atividades do Etna desde o ano 1500 a.C., mas as características geológicas apontam para muito antes: o Etna estaria ativo há 2,6 milhões de anos.  A maior erupção da era moderna foi registrada em 1669, quando destruiu a cidade de Catania.

4. Eyjafjallajökull, na Finlândia
Não se trata do maior e nem do mais ativo da Finlândia, mas o vulcão de nome complicado – também conhecido como Eyjafjöll – virou manchete ao parar o transporte aéreo em boa parte do Hemisfério Norte em 2010. Até hoje, há registros de erupções em 920, 1612 e de 1821 a 1823. Os agricultores que vivem na base da montanha de 1666 metros de altitude apenas conheciam as histórias de antigas erupções. O vulcão lançou toneladas de cinzas a uma altura de mais de oito mil metros em maio de 2010. No Chile, outro vulcão causou o mesmo problema em 2012. A erupção do Copahue provocou o cancelamento de centenas de vôos e o problema pode voltar a ocorrer. No final de dezembro, autoridades locais decretaram alerta vermelho diante das novas atividades na cratera.

5. Mauna Loa, no Havaí
Mauna Loa, que quer dizer "a grande montanha", é o maior vulcão em atividade no mundo. Com seus 120 quilômetros de comprimento, ele cobre uma área de mais de 5 mil quilômetros quadrados. Ele se ergue a quatro quilômetros acima do nível do mar, mas suas medidas subaquáticas revelam números ainda maiores. São cerca de oito quilômetros sob as águas, o que confere ao vulcão uma altura total estimada de 17 mil metros. As erupções do Mauna Loa começaram a ser documentadas apenas em 1843 e, desde então, foram registradas 33 erupções. Embora historicamente a montanha tenha apresentado atividades a cada seis anos, pesquisadores registram uma pausa maior atualmente. A última erupção foi em 1984.

Deutsche Welle Deutsche Welle