2 eventos ao vivo

Cientista e religioso, Blaise Pascal nasceu na França há 390 anos

Pascal criou a primeira máquina de calcular mecânica, fundou a teoria matemática da probabilidade e desenvolveu o Princípio de Pascal

19 jun 2013
07h24
atualizado às 08h24
  • separator
  • comentários

Filósofo, físico, geômetra, matemático, teólogo; inventor da machina arithmetica (a primeira calculadora), em 1642, e consagrado nos estudos de diversas áreas das ciências exatas, Blaise Pascal pertenceu aos primórdios do movimento racionalista europeu no século 17, contemporâneo dos esforços de nomes como Francis Bacon e René Descartes para encontrar um novo método científico. Opostos à herança medieval, que ainda persistia, os pensadores daquele século acreditavam que a verdade poderia ser obtida por meio de um método e seria a verdadeira ferramenta do cientista. Nascido há exatos 390 anos, o francês defendia que cada verdade tinha seu próprio método.

<p>O filósofo, matemático e físico francês Pascal (1623 - 1662) formulou uma teoria geométrica aos 16 anos</p>
O filósofo, matemático e físico francês Pascal (1623 - 1662) formulou uma teoria geométrica aos 16 anos
Foto: Getty Images

Pascal e os perigos da imaginação

Muito religioso, Pascal reprovava nos cientistas e livres-pensadores do seu tempo o crescente agnosticismo e ateísmo. Os libertinos, como eram denominados muitos dos homens-de-letras, mais e mais afastavam de Deus: no máximo, recorriam ao Todo-Poderoso "como um piparote para pôr o mundo em movimento", uma força mecânica sem alma, lamentou o francês, chegando a acusar Descartes de fazer parte dessa tendência. Enquanto outros cientistas daquela época afirmavam a razão, Pascal era partidário da piedade.

Experimentos de Pascal levaram à invenção do barômetro, da prensa hidráulica e da seringa
Experimentos de Pascal levaram à invenção do barômetro, da prensa hidráulica e da seringa
Foto: Getty Images

Ele foi uma das exceções entre os sábios da sua época, mais inclinados ao ceticismo e ao descompromisso com a religião. Como narrou sua irmã Gilberte Périer na biografia Pensamentos (1670), Pascal era um homem profundamente comprometido com a fé - quase um beato. Inicialmente cristão, se converteu ao jansenismo em 1647, e depois teve sua segunda "conversão" em 1654, quando abandonou as ciências exatas para se dedicar exclusivamente à filosofia e à teologia.

Pascal investia contra a ideia da imaginação, e a via não como uma das portas sensitivas pela qual a sabedoria pudesse entrar, mas como uma tática enganadora utilizada pelos sentidos em sua "guerra contra a razão". Em permanente conflito entre a própria religiosidade e a investigação científica, atormentada pelos efeitos causados pelo conhecimento científico sobre sua fé, ele foi tomado por uma profunda sensação de terror perante a solidão do homem no mundo. Dono de uma saúde frágil, Blaise Pascal morreu em Paris apenas dois meses depois de seu 39º aniversário, em 1662.

Batalha dos cientistas
Duelo de gênios: Einstein ou Newton? Darwin ou Pasteur? Escolha o maior cientista de todos os tempos
Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade