Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Brasil no Espaço
Sexta, 7 de abril de 2006, 06h46  Atualizada às 22h09
Russo diz que brasileiro é como se fosse turista
 
 Últimas de Brasil no Espaço
» Oposição síria pede que estrangeiros aprovem área de exclusão aérea
» Rumsfeld não está disposto a questionar invasão ao Iraque
» Blair: Ocidente deve estar preparado para ação contra Irã
» Astronauta brasileiro mostra a vida no espaço
Busca

Saiba mais na Internet sobre:

Busque outras notícias no Terra:
Com o cancelamento dos vôos dos ônibus espaciais americanos para a Estação Espacial Internacional, as Soyuz russas estão responsáveis pelo trajeto desde 2003. A tripulação, invariavelmente, tem uma composição fixa: um russo, um americano e alguém que pague para subir, como no caso da parceria com o Brasil para o lançamento de Marcos Cesar Pontes. "Para nós é quase a mesma coisa se é um turista mesmo ou não", afirma o cosmonauta Valery Kubasov, veterano de três viagens espaciais, que atualmente trabalha como consultor.

» Site da Nasa ignora brasileiro
» Veja vídeo da conversa de Lula e Pontes
» Veja fotos enviadas por Pontes do espaço
» Fórum: opine sobre a ida do brasileiro ao Espaço
» Fotolog do astronauta: deixe seu recado

"Os turistas sempre puderam fazer experiências. Claro que, no caso do brasileiro, ele está fazendo mais experiências e, claro também, não está pagando do próprio bolso. Mas do nosso ponto de vista é a mesma coisa. A preparação dele é a mesma", afirmou Kubasov ao jornal O Globo.

"É verdade que Pontes é formado astronauta pela Nasa, onde se preparou por sete anos. Mas para o vôo que realizou, a rigor, poderia não ter qualquer qualificação desse tipo que os russos o teriam levado do mesmo jeito. Desde, claro, que o governo brasileiro pagasse os US$ 10 milhões previstos no contrato e ele seguisse o treinamento padrão na Cidade das Estrelas. Na verdade, não existe uma cooperação científica Brasil-Rússia, mas sim um negócio", disse. A única contrapartida do Brasil é o pagamento, como atesta a cosmonauta Svetlana Savitskaya, deputada pelo Partido Comunista, ao falar sobre o interesse russo na suposta parceria.
 
Redação Terra