Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Brasil no Espaço
Carreira militar de Marcos Pontes começou em Bauru
 
Divulgação
O então Major Aviador Marcos Pontes: carreira na aeronáutica começou ainda em Bauru
O então Major Aviador Marcos Pontes: carreira na aeronáutica começou ainda em Bauru
Busca

Saiba mais na Internet sobre:

Busque outras notícias no Terra:
Marcos César Pontes, o primeiro astronauta brasileiro, nasceu no dia 11 de março de 1963 em Bauru, a 300 km da capital, no interior de São Paulo. Marcos é o filho mais novo da família de Virgílio de Pontes, profissional do Instituto Brasileiro do Café, e Zuleika Navarro Pontes, funcionária da Rede Ferroviária Federal.

» Fórum: opine sobre a ida do brasileiro ao Espaço
» Leia a coluna de Marcos Pontes

Foi na infância que a interesse de Marcos pelo céu começou a surgir. Ainda garoto ele ia ao Aeroclube de Bauru para ver a Esquadrilha da Fumaça. "Na época, voando em elegantes NA T/6", relembra. A paixão crescia também com as visitas à Academia da Força Aérea (AFA) onde seu tio, Oswaldo Canova, servia como sargento da equipe de manutenção de aeronaves.

A infância logo confundiu-se com a vida profissional. Marcos começou a trabalhar aos 14 anos, como aprendiz de eletricista, pelas manhãs. Ao mesmo tempo, fazia um curso técnico na Rede Ferroviária Federal no período da tarde e à noite estudava eletrônica no colégio técnico Liceu Noroeste. Foram três anos nessa rotina até que Marcos se inscrevesse no processo seletivo da AFA. No ano seguinte, Marcos era o cadete 81/194. Em 1984, a Força Área daria o brevê, a habilitação dos pilotos, ao futuro astronauta.

Já em 1985, Marcos foi transferido para Natal, no Rio Grande do Norte, para fazer um curso de piloto de caça. Foi nessa época que ele conheceu sua mulher, Fátima. A vida a dois mal começara e já veio o primeiro desafio: trocar o norte pelo sul. Em 1986, os dois mudaram-se para Santa Maria, no Rio Grande do Sul, onde o piloto integraria o "Esquadrão Centauro".

Foram três anos até Marcos voltar ao interior de São Paulo. Em 1989, Marcos, Fátima e Fábio, primeiro filho do casal, foram viver em São José dos Campos, nas dependências do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). O curso de engenharia aeronáutica no ITA durou cinco anos. Para a carreira de Marcos, o diploma foi um ganho e tanto. A família também crescera: no início de 1990 nasceu Ana Carolina, segunda filha do piloto.

A dedicação à Força Aérea Brasileira foi recompensada, e Marcos foi indicado pelo Estado Maior para fazer seu mestrado no Naval Postgraduate School, em Monterey, na Califórnia. "Levei para os EUA tudo que eu tinha: esposa, dois filhos, cinco malas e um cachorro", lembra. O piloto concluiu sua tese e recebeu convite da própria instituição para realizar o doutorado. Marcos voltou dos EUA PhD em engenharia.

Em julho de 1998, a Agência Espacial Brasileira (AEB) selecionou Marcos para ser o primeiro astronauta brasileiro. "Imagine como está se sentindo aquele garoto aprendiz de eletricista", diz. Foram mais sete anos de treinamentos na Nasa, a agência espacial norte-americana, até a confirmação da primeira missão, que acontece em março deste ano.
 

Redação Terra