1 evento ao vivo

Astrônoma chilena de 25 anos descobre novo planeta

Maritza Soto, que desde os 11 anos sabia que queria seguir carreira na astronomia, diz que não esperava alcançar um sucesso tão cedo

26 ago 2015
15h41
atualizado às 17h18
  • separator
  • comentários

Aos 25 anos de idade, a doutoranda chilena Maritza Soto realizou o sonho de todo astrônomo: descobrir um novo planeta. O HD 110014c, que orbita a estrela HD 110014, está a 293 anos-luz da Terra e tem uma massa pelo menos três vezes maior que a de Júpiter.

A descoberta foi publicada na revista científica da Royal Astronomical Society (Real Sociedade Astronômica) em Londres, após uma pesquisa de oito meses. "Normalmente, para descobrir um planeta temos que usar métodos indiretos, porque não é como olhar para o céu e, de repente, reparar numa pequena mudança e, pronto, lá está um planeta", disse Soto à BBC Mundo.

A jovem chilena diz que sabia que queria ser astrônoma desde os 11 anos de idade
A jovem chilena diz que sabia que queria ser astrônoma desde os 11 anos de idade
Foto: Maritza Soto

Ela diz que, em geral, esses planetas são difíceis de se enxergar, dada a proximidade com a estrela que orbitam. "Para poder realmente enxergá-los, têm que ser planetas que sejam muito grandes e que estejam muito longe da estrela, ou seja, é muito difícil", disse. "O que fazemos é medir a estrela e ver as mudanças que acontecem quando há um planeta. "

Velocidade radial
Soto empregou o método da velocidade radial, que consiste em medir o movimento da estrela para poder concluir se há algum objeto ao redor dela.

O Chile é chamado de 'olhos do mundo' por concentrar 40% da observação astronômica mundial
O Chile é chamado de 'olhos do mundo' por concentrar 40% da observação astronômica mundial
Foto: Observatório no Chile / Divulgação

Foi assim que Soto e a sua equipe, integrada por James Jenkins e Matías Jones, da Universidade do Chile, descobriram o novo planeta, o segundo daquele Sistema Solar.

O objeto tem pelo menos três vezes a massa de Júpiter, mas Soto diz que este é "um valor mínimo", já que não é possível calcular a massa real.

A jovem estudante destacou que o planeta está muito próximo da estrela que orbita – bem mais que a Terra do Sol. "É um planeta gasoso gigante que está muito quente, porque está muito perto de sua estrela", afirmou.

A chilena Maritza Soto diz que não esperava fazer uma descoberta notável tão cedo
A chilena Maritza Soto diz que não esperava fazer uma descoberta notável tão cedo
Foto: Maritza Soto / Divulgação

'Sucesso'
O planeta, segundo a astrônoma, corre grande risco de ser engolido pelo seu sol, por causa da proximidade e da enormidade daquela estrela vermelha.

Soto, que desde os 11 anos sabia que queria seguir carreira na astronomia, diz que não esperava alcançar um sucesso tão grande tão cedo. "Sempre estudei astronomia com a ideia de que 'talvez... alguma vez... pode ser... encontre algo novo'. Mas nunca pensei que fosse conseguir tão cedo", disse.

O grupo de Soto vai continuar a investigar o novo planeta para tentar entender a dinâmica entre ele e os outros planetas que orbitam aquele sol.

A massa do novo planeta é 'no mínimo' três vezes maior do que a de Júpiter (acima)
A massa do novo planeta é 'no mínimo' três vezes maior do que a de Júpiter (acima)
Foto: BBC / Reprodução

A equipe também tenta detectar novos planetas ao redor de outros tipos de estrelas que não são muito estudadas. "Tomara que isso leve a descobertas ainda maiores", afirmou Soto, que comemora o fato de cientistas da América Latina hoje dividirem descobertas com astrônomos de países desenvolvidos.

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade