0

Raio-X revela que pirarucu é dotado de blindagem única na natureza

15 out 2013
16h56
atualizado às 17h26
  • separator
  • comentários

Para resistir às implacáveis piranhas, o pirarucu, grande peixe do Amazonas, é dotado de um colete composto que o protege dos dentes dos predadores, ao mesmo tempo duro no exterior e flexível no interior, revelou um exame de raio-X feito por pesquisadores.

<p>Imagem de arquivo mostra exemplar do peixe do Amazonas em um aquário</p>
Imagem de arquivo mostra exemplar do peixe do Amazonas em um aquário
Foto: AFP

Segundo um estudo publicado nesta terça-feira por uma revista científica britânica, "as escamas do pirarucu (Arapaima gigas) atuam como uma armadura natural com vários níveis de defesa". É uma "estrutura única" que não perde em nada para os coletes à prova de bala usados por militares e policiais.

Uma "estrutura sofisticada" à base de "elementos biológicos simples" é o segredo da blindagem tão eficaz do Arapaima, explicaram os pesquisadores.

O primeiro nível de defesa das escamas é sua superfície com apenas meio milímetro de espessura, mas rica em minerais e muito dura, capaz de impedir a penetração dos dentes dos predadores aquáticos, às vezes chegando a quebrá-los.

Logo abaixo há uma segunda camada mais flexível, duas vezes mais grossa, composta de lâminas de colágeno, orientadas em diferentes direções e capazes de se alinhar em função da pressão a que são submetidas.

O resultado é que o impacto das mandíbulas das piranhas é amortecido e se distribui por uma grande superfície, impedindo que a blindagem externa se rompa. É uma versão natural, porém mais aperfeiçoada, do acolchoado que os cavaleiros medievais usavam por baixo da malha das armaduras.

Segundo o relatório do exame, publicado nesta terça-feira na revista britânica Nature Communications, para aperfeiçoar ainda mais o dispositivo, as escamas do animal se sobrepõem de tal forma que transmitem energia à camada interna.

O Arapaima gigas é um dos maiores peixes de água doce, com espécimes que pesam mais de 200 quilos, e tem de três a quatro metros de comprimento.

Se as escamas o protegem de piranhas e outros predadores naturais, são menos úteis contra o mais temido de todos, o ser humano, que o pesca intensamente por sua carne.

Abundante no século XIX, este peixe está ameaçado de extinção.

Apesar das medidas de preservação, muitos cientistas consideram que, para salvar a espécie, é necessário instaurar uma atividade de criação capaz de abastecer os mercados.

Carnívoro, o pirarucu cresce rapidamente, até 10 quilos por ano, e suporta condições de criação intensiva graças à sua capacidade de respirar o ar atmosférico, o que permite viver em ambientes mal oxigenados.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade