0

Peru: 877 golfinhos e 1,5 mil aves morrem de causa desconhecida

7 mai 2012
20h03
atualizado às 21h03

As autoridades peruanas recomendaram a população a evitar diversas praias e a não comer peixes após a morte misteriosa de centenas de golfinhos e pelicanos durante as últimas semanas. "A Direção Executiva de Saúde Ambiental determinou às prefeituras que orientem a população sobre o risco de se frequentar as praias onde há golfinhos e pelicanos mortos", assinala o Ministério da Saúde.

Ao menos 1,5 mil aves, a maioria pelicanos, morreram de causa desconhecida nas últimas duas semanas, do mesmo modo que 877 golfinhos, segundo o Ministério do Meio Ambiente. "Enquanto não soubermos com certeza as causas científicas das mortes manteremos as medidas", disse nesta segunda-feira o diretor de proteção ambiental do Ministério da Saúde, Bernardo Ausejo.

"Esperamos que dentro de cinco a dez dias" possamos liberar as praias, assinalou Ausejo, em meio à pergunta mais popular do país: o que está matando os golfinhos e pelicanos? Abraham Levy, presidente da Meteorológica, a principal empresa privada de previsão do tempo no Peru, atribui as mortes ao aquecimento das águas do mar, devido ao fenômeno climático El Niño. "O último caso de morte em massa de aves marinhas data de 1997 (...) e em ambos houve um importante aquecimento do mar", disse Levy à AFP.

"O aquecimento do mar altera a cadeia alimentar, que é algo complexo que começa com o plâncton e acaba nas aves marinhas para as aves, e no lado dos mamíferos acaba nos lobos marinhos...", explicou Levy. A ex-vice-ministra da Pesca Patricia Majluf disse que a morte das aves se deve à falta de anchovas, que migram para o sul diante do aquecimento das águas, e que os golfinhos são vítimas de um vírus.

O biólogo Carlos Bocanegra, professor da Universidade Nacional de Trujillo (norte), afirma que os golfinhos são vítimas da prospecção de petróleo e gás nas águas do Pacífico norte peruano. "Não é surpresa a morte dos golfinhos. São os ruídos que estão matando os golfinhos que depois aparecem nas praias", declarou Bocanegra à rádio RPP, descartando a presença de um vírus.

Sobre os pelicanos, Bocanegra concorda que a causa é a ausência de anchovas devido ao aquecimento das águas: "a temperatura do mar em La Libertad (norte) chegou a 22°C, quando não deve superar os 17°C".

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade