Animais

publicidade
12 de setembro de 2010 • 15h36 • atualizado às 17h56

Brasil tem recorde de baleias jubartes encalhadas em 2010

Baleia encontrada no litoral catarinense sobreviveu a uma eutanásia
Foto: Ana Barzan / vc repórter
Hermano Freitas

A onda de encalhes de baleias no litoral brasileiro motiva uma investigação dos órgãos que se dedicam a acompanhar as espécies na costa. Institutos como o Baleia Jubarte, na Bahia, e a Área de Proteção Ambiental (Apa) da Baleia Franca, em Santa Catarina, investigam as possíveis causas. Desde o início do ano, foram ao menos 50 casos envolvendo apenas a espécie Jubarte. O recorde anterior foi registrado em 2007, com 41 encalhes.

O coordenador de pesquisa do Baleia Jubarte, Milton Marcondes, afirma que o aumento na população dos animais pode ser uma explicação para a onda de encalhes. Estima-se que a população atual de Jubartes no litoral seja de 9.300 e que o crescimento anual gire em torno de 7% (o APA estima o crescimento anual de baleias Franca em 8% a 10%).

Filhotes são a maioria entre os encalhes
A densidade dos mamíferos os torna mais propensos a morrer de causas naturais, choque contra embarcações ou ainda feridos por redes de pesca. Outra hipótese é que haja um grande número de jovens perdidos das mães na costa - filhotes são mais suscetíveis a erros como entrar na arrebentação e não conseguir sair. De acordo com um estudo do instituto feito a partir de 2002, o percentual de filhotes entre o total de animais encalhados fica em torno de 60%.

Outra hipótese em estudo é que o principal alimento da baleia, o Krill (uma espécie de camarão minúsculo) é bastante sujeito a mudanças climáticas e pode ter ficado mais raro nos últimos anos. Finalmente, pode ainda haver um crescimento nas doenças e até o surgimento de um vírus ou bactéria novos que estejam vitimando os animais. "Quando conseguimos terminar de investigar uma ocorrência surge outra. Precisei contratar um veterinário temporário para ajudar", disse Marcondes.

Marcondes diz que uma onda semelhante de encalhes foi observada na Austrália, em 2009, e uma das intenções do instituto é determinar se existe ligação entre o fenômeno australiano e o brasileiro. O trabalho de análise do corpo das baleias inclui a coleta de material para a medição da camada de gordura. A partir disso, é possível determinar se o animal estava desnutrido ou teria outro problema de saúde.

A análise clínica inclui ainda a coleta de amostras dos tecidos, sangue, ossos e fezes, que são levados para laboratório. Caso as condições do local sejam adequadas, em praia mais isolada e livre de curiosos, pode ser realizada inclusive uma necropsia completa do animal, com análise profundada dos órgãos internos. "É como montar um quebra-cabeças, com a diferença de que não temos a imagem da capa para nos orientar e não sabemos ao certo que imagem sairá após a montagem", compara.

Morte natural
A titular do APA, Maria Elizabeth Carvalho da Rocha, lembra ainda que existe a possibilidade de que os animais, mesmo os que tenham sido encontrados ainda vivos, tenham chegado ao litoral justamente para morrer. "O animal pode mesmo ter sentido que o momento do fim estava chegando e chegou à costa para se recolher, como tantos outros bichos. Precisamos lidar com a morte como uma coisa natural e não extraordinária", diz.

A avaliação é feita com base nos últimos dois casos de encalhe de baleias vivas no litoral do Sul do País. No caso de Capão Novo, houve uma comoção de pessoas sensibilizadas com a situação da baleia encalhada. No entanto, não foi possível salvá-la após um segundo encalhe e ela acabou morrendo. "Desencalhar uma baleia é muito difícil, há que se fazer uma avaliação pragmática sobre a possibilidade de salvá-la porque na maioria das vezes isto não é possível", diz.

Redação Terra