Ciência

publicidade
13 de fevereiro de 2012 • 06h12 • atualizado às 08h46

Animais do oeste da África mudam seus hábitos devido à seca

Animais do oeste da África mudam seus hábitos

 

Os humanos não são as únicas vítimas da falta de chuvas na última temporada de precipitações na faixa do Sahel, no oeste africano: a fauna de países como Burkina Fasso também está mudando seus hábitos em sua busca por água. "Notamos uma migração de animais fora de seu território no leste e nordeste (de Burkina Fasso). A escassez de água causou estas migrações antecipadas de elefantes e búfalos. Não será surpresa se os leopardos seguirem os leões e os búfalos", advertiu Urbain Belemsobgo, representante do Ministério da Fauna.

Os búfalos estão há alguns meses rondando alguns povoados do leste do país em sua luta para beber água: "algumas vezes seguem o gado para encontrar o pasto", explica Arzouma Tindano, morador da localidade oriental de Bogandé. De acordo com Celestin Zida, funcionário do Ministério do Meio Ambiente no leste do país, "os leões abandonaram seu habitat e mataram os macacos da região". Além disso, Zida relata que "vários moradores reclamam que os animais selvagens destruíram seus celeiros".

Até o momento, a campanha feita por este ministério para a sensibilização com a fauna evitou o massacre dos animais, porém não impediu que um aldeão fosse ferido. "Temos que fazer de tudo para salvar esses animais porque, após sua morte, algumas espécies irão desaparecer", alertou Zida.

O Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável advertiu em dezembro sobre as consequências "desastrosas" que a busca desesperada por água poderia acarretar, incluindo potenciais conflitos entre humanos e animais. Em novembro, o governo já notara alterações pelo desaparecimento dos charcos usados pela fauna local para beber água.

Pierre Kafando, coordenador nacional do Parque Transfronteiriço W (chamado assim pelo formato do rio Níger ao passar por essa região), garantiu que se trata de uma "situação catastrófica" na qual alguns pequenos mamíferos, como veados e alguns primatas, não conseguirão sobreviver. "Dentro do parque (de 10 mil km² e partilhado com Benin e Níger) temos sempre uma média de 950 mm de chuva por m², mas este ano choveu entre 600 e 650 mm", informou Kafando.

Segundo o responsável da parte burquinense do Parque W, os elefantes "inteligentes" cavam poços nas áreas em que a água está mais perto da superfície, "mas estes poços acabam virando armadilhas para búfalos, que caem neles e morrem", advertiu Kafando. No lado burquinense, deveria existir um charco a cada 10 km, mas, de acordo com Kafando, há espaços de entre 30 a 50 km sem uma só lagoa, enquanto um elefante adulto precisa consumir cerca de 200 l de água por dia.

O Parque W é o lar da maior concentração de búfalos da África Ocidental, com cerca de 10 mil a 15 mil indivíduos, além de grandes antílopes, leões, leopardos e guepardos. Também estão ameaçadas cerca de 450 espécies de pássaros. Por enquanto, o Executivo burquinense gastou US$ 180 mil em construção de charcos.

Para aliviar a situação, o Banco Mundial destinou, mediante um plano de emergência, US$ 700 mil para a construção de cerca de 30 lagoas artificiais que serão cheias com água transportada dos rio próximos por vários caminhões até o Parque W.

EFE