Visita do Papa

Visita do Papa

Domingo, 29 de abril de 2007, 11h17 Atualizada às 11h33

Roupa do Papa no Brasil terá símbolos ligados à Virgem Maria

Os símbolos católicos da concha e da pérola, que juntas estão associadas à virgem Maria e ao nascimento de Jesus, predominam no vestuário que o papa Bento XVI usará no Brasil durante a visita que fará entre 9 e 13 de maio.

» Veja a programação do Papa no Brasil
» Conheça a biografia do papa Bento XVI
» vc repórter: Mande fotos e notícias

A estilista Maria Laura Correia é a responsável pelas roupas que o pontífice usará durante as celebrações litúrgicas no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida e no mosteiro de São Bento, em São Paulo.

"Estive em Roma e o Vaticano me deu plena confiança e autonomia para o desenho do vestuário do Papa, de bispos e de sacerdotes", declarou.

O responsável pelas cerimônias do Papa, o italiano Piero Marini, atendeu ao pedido explícito do arcebispo de Aparecida, Raimundo Damasceno, para que Correia criasse e confeccionasse as roupas.

Na escolha, Correia elegeu entre os diferentes símbolos da Igreja Católica a concha, que também representa a trindade e a peregrinação, e a pérola, para juntas serem a base da decoração da batina e da casula (espécie de manto usado sobre as roupas dos religiosos) do Papa.

Uma seda vinda da Índia em cor dourado "envelhecido" com bordados de conchas de diferentes tamanhos servirá para o Pontífice na cerimônia realizada em Aparecida e durante a abertura da Conferência Geral do Episcopado da América Latina e Caribe (Celam). Outra, com predomínio da cor branca, será usada na capela do mosteiro de São Bento.

O bordado será feito com fios suíços, cuja escolha, como a da tela, obedeceu "ao frescor e à leveza da roupa. Não é por serem estrangeiros. Levamos em conta o calor que está fazendo no Brasil e o fato de o Papa ser uma pessoa idosa (com 80 anos)", declarou Correia.

Para os bispos "preparamos uma roupa com as mesmas cores do Papa (branco e dourado), mas o detalhe (do bordado) serão os quatro evangelistas, em homenagem a Celam, e sobre as estolas sobressairá Nossa Senhora Aparecida, embora também tenha a concha papal", acrescentou.

Já as toalhas do altar e do cerimonial também têm a concha como principal objeto decorativo, mas são adornadas por quatro pedras vermelhas que simbolizam os evangelistas. Além disso, foi usado o escudo particular do Papa.

Imigrante portuguesa radicada há 40 anos no Brasil, a estilista - graduada em química - foi pioneira na indústria de vestuário sacro no país porque "sempre gostou muito da arte sacra" e estudou restauração de obras religiosas no Peru e arte na Itália.

A fama de Correia e sua loja "Decorações e Artesanatos Litúrgicos" - em função do "boca a boca" entre monges, sacerdotes e bispos que usam os "modelos exclusivos" de suas criações -, chegou até o Vaticano, que a escolheu para decorar o altar durante as missas celebradas pelo Papa João Paulo II em Curitiba e no Rio de Janeiro, em 1980.

Em 1997, ela voltou a ser convocada pelo Vaticano e pela CNBB para decorar e confeccionar peças para a Nova Catedral do Rio de Janeiro. Agora, com a visita ao Brasil do Papa Bento XVI, a primeira na América Latina como Pontífice, Correia foi convocada de novo pelo Vaticano.

Desta vez, além dos adornos, cuidará das roupas de sacerdotes, prelados e do próprio Papa quando oficiar a cerimônia litúrgica na cidade de Aparecida, em São Paulo, e a missa particular no mosteiro de São Bento, onde ficará por dois dias e meio.

"Fui benzida na primeira visita do Papa João Paulo II ao Brasil, estive de perto e senti seu olhar. Agora voltar a servir seu sucessor me orgulha, porque é um serviço que é feito para Deus", disse, emocionada, a estilista.

  • Imprima esta notícia
  • Envie esta notícia por e-mail

Busca

Busque outras notícias no Terra: