2 eventos ao vivo

Vai a 550 o nº de mortos pela chuva na região serrana do Rio

14 jan 2011
06h37
atualizado em 15/1/2011 às 01h11

O número de mortos em decorrência das fortes chuvas que atingiram a região serrana do Rio chegou a 550 nesta sexta-feira. De acordo com informações da Defesa Civil, 238 óbitos foram registrados em Teresópolis, 247 em Nova Friburgo, 43 em Petrópolis, 18 em Sumidouro e outros quatro no município de São José do Vale do Rio Preto.

» Veja como ajudar os desabrigados pela chuva no RJ

Mais cedo, a prefeitura de Sumidouro havia confirmado 19 mortes na cidade, informação que foi corrigida mais tarde. Segundo a Defesa Civil, cerca de sete pessoas permaneciam desaparecidas esta noite, na localidade de Pilões. Relatos de moradores dão conta que as vítimas morreram em um deslizamento de terra. Os bombeiros não conseguiram chegar ao local, que está isolado. O órgão informou que, no sábado, uma equipe irá resgatar os corpos de helicóptero.

Informações da Polícia Civil dão conta de que 534 corpos foram identificados pelo Instituto Médico Legal (IML). Na cidade de Nova Friburgo, os setores da Justiça autorizaram que os corpos das vítimas sejam enterrados sem identificação porque os médicos-legistas que trabalham na região serrana não estão dando conta de reconhecer tantos mortos, que já começam a exalar mau cheiro por falta de refrigeração

Após três dias da tragédia, as autoridades ainda não sabem estimar o número de pessoas desaparecidas porque as equipes de resgate enfrentam dificuldades para chegar, com o maquinário necessário, a locais afetados para tentar resgatar vítimas. O vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, disse hoje que as equipes devem utilizar rapel para chegar aos locais mais difíceis. "Os helicópteros às vezes, por serem de grande porte, não conseguem aterrissar em um local seguro (...) Por enquanto, em alguns locais, vamos usar rapel (de helicóptero) para socorrer as pessoas e levar mantimentos e água".

As buscas ficaram mais complicadas nesta sexta-feira por causa da chuva que continuava atingindo os municípios da região. Especialistas apontam que, com a previsão de mais instabilidade e a saturação do solo em áreas já em situação crítica, os riscos de deslizamentos permanecem grandes nos locais atingidos. Segundo geólogos, é perigoso que moradores dessas regiões voltem para suas casas para recuperar pertences.

Liberação de verbas
O Ministério da Integração Nacional anunciou nesta sexta-feira a liberação de R$ 100 milhões para o governo do Rio de Janeiro e para as sete cidades mais atingidas pelas chuvas: Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro, Areal, Bom Jardim e São José do Vale do Rio Preto. As vítimas também poderão sacar os benefícios do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), terão os recursos do Bolsa Família antecipados a partir de 18 de fevereiro e aqueles que perderam suas casas deverão receber o aluguel-social.

Reforços
Após o anúncio de que homens da Força Nacional de Segurança foram enviados à região serrana, nesta sexta-feira, cerca de 300 garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio de Janeiro (Comlurb) formaram uma força-tarefa para ajudar na limpeza do centro de Nova Friburgo. O governo de São Paulo também enviou especialistas em identificação de corpos, que atuaram no acidente com o voo da TAM em 2007, em Congonhas, para auxiliar no reconhecimento das vítimas.

Prejuízos


Além de mortes e destruição, as chuvas provocaram muitos prejuízos na região serrana. De acordo com o prefeito de Teresópolis, Mario Jorge, serão necessários R$ 590 milhões para reconstruir a cidade. Já a Secretaria de Turismo e a Associação de Hotéis do Rio de Janeiro (ABIH/RJ) estimam que os prejuízos causados ao faturamento da rede hoteleira chegam a US$ 30 milhões somente nas cidades de Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis.

Veja onde foram registradas as mortes:

Com informações de O Dia e BBC Brasil.

Fonte: Redação Terra
publicidade