Trânsito

publicidade
25 de fevereiro de 2011 • 19h41 • atualizado em 07 de Dezembro de 2011 às 16h51

Motorista atropela grupo de ciclistas, fere 10 e foge no RS

As bicicletas danificadas pelo atropelamento ficaram no cruzamento das vias
Foto: Ramiro Furquim/Agência Freelancer / Especial para Terra
 
Mauricio Tonetto
Direto de Porto Alegre

Um grupo de ciclistas que tradicionalmente percorre as ruas do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, na última sexta-feira de cada mês à noite, foi atropelado por volta das 19h de hoje. Segundo a Brigada Militar (BM), 100 ciclistas do movimento Massa Crítica seguiam pela rua José do Patrocínio, quando foram surpreendidos por um Golf preto na esquina com a rua Luiz Afonso. A maioria escapou do atropelamento, mas 10 ficaram feridos, sendo cinco com lesões, que foram encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro.

Conforme um dos ciclistas, que se identificou apenas como Bruno, 21 anos, o motorista do Golf não respeitou a aglomeração e "tocou por cima". "Saímos do Largo Zumbi dos Palmares, na Cidade Baixa, mas ele rompeu a barreira. Sempre que tem esse movimento, há uma organização, e ele não respeitou isso. Nós ainda dissemos 'tem que esperar, vamos respeitar', mas ele não gostou e uns 500 m depois atropelou quem pode".

A polícia disse que o atropelamento foi intencional e que o motorista do Golf acelerou várias vezes antes de derrubar os ciclistas. Após ouvir testemunhas, os policiais conseguiram a placa do veículo e identificaram o proprietário como Ricardo José Neif, 47 anos. A BM foi até a garagem onde o carro fica estacionado, mas não encontrou o suspeito.

Quatro viaturas da BM e cinco ambulâncias fizeram o atendimento dos feridos. A rua estava bloqueada e um grupo de ciclistas fez protesto exigindo segurança no trânsito. O movimento Massa Crítica, segundo o seu site, "é uma celebração da bicicleta como meio de transporte. Acontece quando dezenas, centenas ou milhares de ciclistas se reúnem para ocupar seu espaço nas ruas e criar um contraponto aos meios mais estabelecidos de transporte urbano. A Massa Crítica é organizada de forma horizontal, não tem representantes, porta-vozes, nem líderes. Ela não tem uma voz. Ela tem tantas vozes quanto participantes. Cada um é livre para levar a manifestação ou a reivindicação que quiser".

Terra