1 evento ao vivo

Helicóptero vence competição entre meios de transporte em SP

13 set 2012
18h58
atualizado às 22h11
Hermano Freitas
Direto de São Paulo

Nem bicicleta nem moto. Este foi o ano do helicóptero no 7° Desafio Intermodal, que compara 14 diferentes meios de transporte em um trajeto do Brooklin, na zona sul de São Paulo, até a Prefeitura, no viaduto do Chá, centro da cidade. A aeronave levou 22 minutos enquanto a bicicleta levou 24.

Com o uso de diferentes modais como carro, moto, bicicleta, helicóptero, patins e pessoas caminhando, correndo e usando transportes públicos como ônibus, metrô e trem, o desafio testa o tempo gasto para um deslocamento que tem como origem a praça Gentil Falcão. Entra na conta o custo que cada participante gera e quantos kg de gás carbônico emite.

Segundo o cicloativista Felipe Aragones, não basta chegar em primeiro lugar - os impactos ambientais também serão avaliados. Em 2011, um ciclista fez o trajeto de 10 km em 22 minutos sem poluir a cidade. Em segundo lugar, chegou o motociclista em 28 minutos. O motorista de carro gastou 74 minutos para chegar até o centro e a pessoa que fez a intermodalidade de trem e ônibus gastou 110 minutos. "O que vai correndo normalmente chega antes do que o que vai de carro", afirmou.

Handbike
"Com o coração na mão." Assim Valdir Gonçalves, 41 anos, descrevia a sensação de aguardar a saída do 7° Desafio Intermodal, que partiu no final da tarde desta quinta-feira do Brooklin, zona sul da capital paulista. Ele participa pela primeira vez do evento com uma handbike - bicicleta com tração dianteira movida com os braços do analista de sistemas, a novidade deste ano.

Em sua handbike de R$ 2,5 mil, Valdir espera percorrer os 10 km do trajeto em cerca de 40 minutos. Ele afirma que a altura do veículo prejudica ser visto por quem está dentro de um carro, mas espera que isto não seja um perigo. "É a sensação boa de um risco bom, acho que vai dar pra mostrar que tem alternativa."

Buracos
A jornalista Clara Caldeira, 25 anos, percorrerá o trajeto caminhando. "Pedestre convicta", ela afirma que vai ao trabalho a pé e deve usar a oportunidade da caminhada para identificar os problemas encontrados por quem deixa o carro na garagem para gastar a sola nas ruas. "Devo encontrar muito buraco e pouca faixa", resumiu.

A má condição do asfalto é o problema que o esqueitista Marcos Hiroshi, 35 anos, espera encontrar. Pela primeira vez no desafio, ele vai de esqueite entre os carros. "O grande desafio é saber se colocar entre os carros", declarou.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade