publicidade
06 de junho de 2012 • 08h38 • atualizado às 17h41

Com a presença de Lula, Rio inaugura 1º corredor de BRT

O BRT circulará por 40 km de extensão da Transoeste, no trecho entre a Barra da Tijuca e Santa Cruz
Foto: Ricardo Pereira / vc repórter
 
Cirilo Junior
Direto do Rio de Janeiro

A quatro anos de sediar os Jogos Olímpicos na cidade, o Rio começa a tirar do papel um dos compromissos assumidos na área de mobilidade urbana. O primeiro corredor expresso de Bus Rapid Transit (BRT) começa a operar, de forma experimental, nesta quarta-feira. Espécie de metrô sobre rodas, com uma via exclusiva para os ônibus do sistema, o BRT circulará por 40 km de extensão da Transoeste, no trecho entre a Barra da Tijuca e Santa Cruz, na zona oeste. Ao todo, a Transoeste terá 56 km, com a ligação entre Santa Cruz e Campo Grande, que está prevista para ser inaugurada no segundo semestre.

É a primeira fase do projeto que promete ajudar a desafogar o trânsito em algumas regiões do Rio, com a retirada de muitas linhas de ônibus que hoje circulam por onde passará o BRT - somente na primeira fase do projeto, a previsão é que 26 linhas convencionais sejam eliminadas. Até 2015, a prefeitura promete implementar 150 km cobertos pelo sistema de transporte, com investimento previsto de cerca de R$ 5 bilhões. A expectativa é que o BRT esteja operando plenamente a partir do dia 4 de agosto, com 91 ônibus articulados, retirando de circulação de vias paralelas 251 coletivos. A projeção é que, em termos ambientais, haja uma redução de 65% na emissão de poluentes com a troca.

A inauguração oficial contou com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Esse é o primeiro BRT de uma série que está por vir. É uma mudança cultural na maneira de se locomover na cidade. É como se fosse um metrô sobre rodas, com o custo bem menor", destacou o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), durante apresentação do projeto à imprensa, no último fim de semana.

Além da Transoeste, outras três ligações viárias terão o sistema de BRT. A Transcarioca terá 41 km entre a Barra - onde ficará a Vila Olímpica, hospedagem dos atletas - e o aeroporto internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador. A obra tem custo previsto de R$ 1,5 bilhão, e prevê 46 estações, com conclusão prevista para dezembro de 2013.

A Transolímpica melhorará a ligação entre Barra e Deodoro, também na zona oeste. Deodoro também será um dos polos de competição dos Jogos 2016. Lá, serão realizadas algumas das competições, como tiro e arco e flecha. A Transolímpica terá 26 km de extensão, e contará com 18 estações de BRT. A conclusão da obra, que deverá custar em torno de R$ 1 bilhão, está prevista para 2015.

Por fim, a Transbrasil será um corredor expresso de 32 km ao longo da avenida Brasil, que vai ligar Deodoro até o aeroporto Santos Dumont, no Centro, passando pelas avenidas Francisco Bicalho e Presidente Vargas. O sistema terá 28 estações de BRT, e custo estimado de R$ 1,3 bilhão.

A Transoeste começa a operar a partir desta quarta-feira com horário reduzido, das 10h às 15h. A previsão é que, no dia 23 de junho, o funcionamento seja ampliado com a operação de mais estações. O horário de funcionamento total será das 5h até 1h do dia seguinte. O custo da obra foi de R$ 900 milhões.

Com a ligação até Campo Grande, serão 116 ônibus operados pela Rio Ônibus. A estimativa é que a demanda chegue a 120 mil passageiros por dia. "Acho até que é uma demanda subestimada. À medida que o sistema for operando e as pessoas perceberem a qualidade, muito mais gente vai começar a usar", observou o prefeito.

Colaborou com esta notícia o internauta Ricardo Pereira, do Rio de Janeiro (RJ), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

vc repórter