0

Atropelador de ciclista que perdeu braço em SP responderá em liberdade

6 jun 2013
09h23
atualizado às 09h27
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>O estudante Alex Siwek em foto de 10 de março, data do acidente</p>
O estudante Alex Siwek em foto de 10 de março, data do acidente
Foto: Luiz Claudio Barbosa / Futura Press

O estudante de psicologia Alex Kozloff Siwek, que atropelou o ciclista David Santos Souza na avenida Paulista, em São Paulo, responderá em liberdade no processo em que é acusado de tentativa de homicídio. No acidente, ocorrido em 10 de março, David teve o braço direito amputado - o membro ficou preso no carro de Alex, que fugiu do local e jogou o braço em um córrego. A Justiça de São Paulo confirmou na quarta-feira a liminar que permite que o estudante deixe a prisão cautelar.

Veja os desafios que os ciclistas enfrentam nas cidades

A 12ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que Alex deve comparecer periodicamente em juízo, no prazo e nas condições fixadas pelo juiz. Além disso, o estudante fica proibido de deixar São Paulo quando a presença dele for necessária à investigação.

Se o acusado descumprir as condições, a Justiça pode decretar sua prisão preventiva. Ele também teve a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa até o fim do processo.

O relator do processo, desembargador Breno Guimarães, justificou sua decisão afirmando que Alex "não ostenta qualquer envolvimento criminal". "A forma como se deram os fatos indica tratar-se de fato isolado em sua vida, não se tratando de criminoso contumaz. Além disso, comprovou possuir residência certa e ser estudante, sendo de rigor reconhecer que ele se apresentou espontaneamente perante a autoridade policial", escreveu o magistrado. "Tais circunstâncias (...) são fortes indicativos de que ele não tem intenção de se furtar à aplicação da lei penal."

Ciclista é atropelado e tem braço amputado
David, que trabalhava como limpador de vidros, ia de bicicleta para o trabalho na madrugada do dia 10 de março quando foi atropelado por Alex e teve o braço direito amputado. Após o acidente, o estudante fugiu do local sem prestar socorro à vítima, com o braço dentro do carro. Ele ainda jogou o membro em um córrego próximo à avenida Doutor Ricardo Jafet.

Depois de se entregar à polícia, o estudante se negou a fazer exame de bafômetro, de sangue e urina, e só realizou o exame clínico no Instituto Médico Legal (IML) às 11h21, mais de cinco horas depois do acidente. Testemunhas disseram que Alex apresentava sinais de embriaguez, e que ele dirigia em alta velocidade pela avenida Paulista, cortando os outros veículos, antes de atropelar David.

Veja também:

Senadora Simone Tebet (MDB-MS) defende representatividade mínima de 30% de mulheres na direção dos partidos
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade