0

Testemunhas dizem que presentes foram pisoteados ao tentar fugir de boate

27 jan 2013
13h25

Testemunhas que estavam na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no momento em que ocorreu o incêndio que matou 245 pessoas, disseram que no momento em que o fogo começou as pessoas ficaram desesperadas e tentaram sair correndo do local, e por isso muitas acabaram caindo e foram pisoteadas.

O número de vítimas fatais do incêndio ocorrido na madrugada deste domingo chegou a 245, a maioria deles por asfixia devido à inalação de fumaça, e o de feridos é de 48, segundo o último boletim divulgado pela polícia.

Um dos seguranças da discoteca, Rodrigo Moura, explicou que tentou usar um extintor para apagar os fogos mas o aparelho não funcionou. Segundo Moura, a discoteca Kiss estava com a capacidade máxima, entre 1.000 e 2.000 pessoas.

Alberto Tessmez, um bancário que passava pela porta da discoteca no momento da tragédia, disse que ajudou pelo menos 50 pessoas a saírem do local.

Segundo Tessmez, a fumaça na discoteca era muito densa, o que dificultava a saída dos presentes.

"Vai ser impossível que alguém na cidade não tenha algum conhecido entre as vítimas. Há muita gente desesperada e chorando. Os hospitais estão cheios de pessoas que param os enfermeiros com fotos dos parentes desaparecidos", declarou a estudante de jornalismo Michelle Falcão.

EFE   
publicidade