Brasil

publicidade
23 de maio de 2013 • 10h37

Taxa de desemprego no Brasil tem leve alta e fica em 5,8% em abril

 

O índice de desemprego no Brasil caiu no mês passado para 5,8% da população economicamente ativa, o menor nível para um mês de abril nos últimos 11 anos, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa de desemprego caiu ligeiramente com relação aos 6% do mesmo mês do ano passado, mas foi menos da metade dos 12,5% em abril de 2003, quando o índice começou a ser medido com critérios mais rigorosos.

O desemprego, no entanto, aumentou ligeiramente com relação aos 5,7% registrado em março e mais de um ponto percentual com com relação aos 4,6% de dezembro de 2012, seu menor nível histórico.

De acordo com o IBGE, o Brasil tinha em março 1,4 milhão de desempregados nas seis maiores regiões metropolitanas do país, usadas para medir o índice nacional, sem variação com relação ao mês anterior e com abril do ano passado.

O número de pessoas com emprego em abril nas mesmas seis cidades chegou a 22,9 milhões, igualmente sem variação em comparação com o mês anterior e com abril do ano passado.

Segundo dados divulgados nesta semana pela presidente Dilma Rousseff, o Brasil gerou desde janeiro de 2011 cerca de 4,12 milhões de novos empregos formais apesar da crise econômica internacional.

"A taxa de desemprego no Brasil se manteve nos menores níveis de nossa história. Isso mostra que o Brasil vive praticamente em pleno emprego e que o desemprego tende a se manter muito baixo", afirmou a governante

O instituto informou igualmente que a renda média dos trabalhadores brasileiros em abril era de R$ 1.862,40, com uma ligeira redução de 0,2% frente a março, mas 1,6% superior a do mesmo mês do ano passado.

O índice oficial de desemprego mede o número de pessoas que procura trabalho nas cidades de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, por isso que não leva em conta os já absorvidos pelo setor informal, os que desistiram de buscar e o resto do país.

EFE