5 eventos ao vivo

Servidores federais em greve protestam nas ruas do centro do Rio

9 ago 2012
19h09
atualizado às 23h10

Representantes de diversos sindicatos de servidores públicos federais fizeram nesta quinta-feira manifestação pelas ruas do centro do Rio de Janeiro para reivindicar melhores condições de trabalho. Eles saíram da Candelária e seguiram para a avenida Rio Branco, uma das principais vias do centro, em direção à Cinelândia.

Manifestantes se concentraram na frente da Igreja da Candelária, no Centro do Rio de Janeiro, para reivindicar melhores condições de trabalho
Manifestantes se concentraram na frente da Igreja da Candelária, no Centro do Rio de Janeiro, para reivindicar melhores condições de trabalho
Foto: Luiz Roberto Lima / Futura Press

Diretora do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado do Rio de Janeiro (Sintracef), Cristina Tomé, ressaltou que é fundamental a reestruturação da carreira e que sejam realizados novos concursos para seleção de servidores. Ela considera o movimento grevista de agora como a única forma de chamar a atenção do governo. "Nós lamentamos muito o transtorno que causa, principalmente para a população que nem é servidor e, que muitas vezes, ficam prejudicadas pelo nosso movimento. Mas é a única forma que o servidor tem de se posicionar, uma vez que o governo se negou a conversar", disse.

Segundo a servidora do Ministério da Agricultura Cirlene de Almeida Bianna, os funcionários do setor também reivindicam realização de concursos públicos para investimentos na agricultura e o fim das distorções salariais. A manifestação tem ainda a finalidade de pressionar o governo para marcar uma assembleia, já que, segundo ela, as datas para reuniões não estão sendo cumpridas. "Infelizmente a gente tem que atrapalhar para o governo ouvir e ver. A gente tem que fazer barulho. As mesas de negociação são remarcadas. Diz o governo que na semana de 13 a 17 vão ter audiências. Será?", indagou.

Já a presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Federais da Saúde, Trabalho e Previdência do Rio de Janeiro (Sindisprev-RJ), Cristiana Gerardo, disse que o governo não tem dado assistência à saúde, refletindo no atendimento ao usuário e nas condições de trabalho. Ela lembrou de fato ocorrido ontem, no Hospital Federal Cardoso Fontes, em Jacarepaguá, na zona oeste da capital fluminense, onde um rato caiu, de um buraco no teto da sala de emergência, sobre o corpo de uma estudante de gastronomia.

O movimento grevista
Iniciados em julho, os protestos e as paralisações de servidores de órgãos públicos federais aumentaram no mês de agosto. Pelo menos 25 categorias estão em greve, tendo o aumento salarial como uma das principais reinvindicações. De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), o movimento atinge 28 órgãos, com 370 mil servidores sem trabalhar. O número, no entanto, é contestado pelo governo.

Estão em greve servidores da Polícia Federal, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Arquivo Nacional, da Receita Federal, dos ministérios da Saúde, do Planejamento, do Meio Ambiente e da Justiça, entre outros. O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências) informou que dez agências reguladoras aderiram ao movimento.

O Ministério do Planejamento declarou que está analisando qual o "espaço orçamentário" para negociar com as categorias. O governo tem até o dia 31 de agosto para enviar o projeto de lei orçamentária ao Congresso Nacional. O texto deve conter a previsão de gastos para 2013.

No dia 25 de julho, a presidente Dilma Rousseff assinou decreto para permitir a continuidade dos serviços em áreas consideradas delicadas. O texto prevê que ministros que comandam setores em greve possam diminuir a burocracia para dar agilidade a alguns processos, além de fechar parcerias com Estados e municípios para substituir os funcionários parados.

Agência Brasil Agência Brasil
publicidade