Sem-terra pedem reforma agrária em fazenda ocupada no DF

atualizado às 22h39
  • separator
  •  
  • comentários

Cerca de 600 famílias do Movimento de Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), que ocupam desde o dia 8 de março parte da Fazenda Toca da Raposa, em Planaltina (DF), fizeram nesta terça-feira um ato político de mobilização. Elas pedem a destinação de 40% da área de 1,7 mil hectares à reforma agrária.

As famílias pedem a destinação de 40% da área de 1,7 mil hectares à reforma agrária
As famílias pedem a destinação de 40% da área de 1,7 mil hectares à reforma agrária
Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

Segundo a coordenadora do acampamento, Viviane Moreira, a área em que as famílias estão acampadas pertence à Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), órgão do governo do Distrito Federal, e foi ocupada irregularmente por um produtor de soja, que tem uma parcela das terras. "Nós vamos resistir, não aceitaremos o favorecimento da grilagem de terra aqui no DF", disse.

O presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, Domingos Dutra (PT-MA), presente ao ato, considerou a ocupação da área pelas famílias como uma ação legítima. Ele disse que todo brasileiro tem direito à terra. "Essa ocupação não é ilegal, este é um ato constitucional, vocês (MST) têm o direito de terra para produzir."

No dia 9 de março, o MST apresentou denúncia à Ouvidoria Nacional Agrária sobre ameaças que as famílias estão recebendo de homens armados. Na ocasião, Viviane Moreira declarou que responsabilizaria o Estado por qualquer ato de violência que possa ocorrer no acampamento.

A ocupação da Fazenda Toca da Raposa faz parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas 2012, que realiza ações em mais 15 Estados do País.

Agência Brasil

compartilhe

publicidade
publicidade