0

RJ: sem vice, Crivella é oficializado candidato ao governo

“Eu não vou para Paris, não vou fazer greve de fome, vou trabalhar pelo Rio”, disse Crivella

29 jun 2014
18h36
atualizado às 18h47
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
O senador fluminense citou forças enormes que estariam emparedando o PRB, mas preferiu não nomeá-las
O senador fluminense citou forças enormes que estariam emparedando o PRB, mas preferiu não nomeá-las
Foto: Jose Mauro Pimentel / Terra

O PRB oficializou neste domingo a candidatura do senador Marcelo Crivella ao governo do Estado do Rio de Janeiro. O partido, no entanto, não apresentou um candidato a vice e tão pouco ao senado – o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) encerra na próxima segunda-feira o prazo para a realização das convenções partidárias e as siglas têm até o dia 5 de julho para registrar as candidaturas junto a Justiça.

Segundo o senador, que por enquanto concorre em uma chapa “puro sangue”, ainda há tempo para alianças. “Há alguns partidos que querem vir conosco, estamos conversando”, afirmou. O senador citou “forças enormes” que estariam “emparedando o PRB”, mas preferiu não nomeá-las.

Em segundo lugar nas pesquisas, Crivella tem sido assediado tanto pelo PMDB, quanto pelo PT e PR. Anthony Garotinho chegou a lhe oferecer o posto de vice, que Crivella disse neste domingo que não pretende aceitar, enquanto a Executiva Nacional do PT tentou pressionar o senador a deixar a disputa e apoiar Lindbergh.

O PRB reafirmou também seu apoio a reeleição da presidente Dilma Rousseff, mas não precisou se ela subirá ou não ao palanque do partido. “Conversei pessoalmente com a presidente e não há como ela não estar com a gente”, afirmou Crivella.

Durante a convenção, realizada em um ginásio esportivo em Olaria, na zona norte do Rio, o senador ressaltou o fato de ter a ficha limpa e prometeu fazer um governo que se dedique tanto a capital quanto ao interior.

“Eu não vou para Paris, não vou fazer greve de fome, vou trabalhar pelo Rio”, disse, referindo-se a polêmica viagem do ex-governador Sérgio Cabral a capital francesa e a greve de fome realizada por Garotinho.

 

Veja também:

Bolsonaro já admitiu que Wassef era seu advogado
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade