Fale conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!

 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email
Referendo
Segunda, 24 de outubro de 2005, 01h09  Atualizada às 06h53
Ex-diretor do Carandiru é assassinado após votar
 
 Últimas de Referendo
» TSE anuncia resultado final do referendo
» Campanha do Desarmamento recolheu 426 mil armas, diz PF
» Partidários do "não" e "sim" se enfrentam no Rio
» TSE conclui apuração de votos do referendo
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O ex-diretor do presídio do Carandiru José Ismael Pedrosa, 70 anos, foi assassinado ontem a tiros, após votar no referendo sobre a comercialização de armas de fogo e munição no Brasil.

» Veja o resultado em todo o País

A vítima foi baleada por três homens quando saía em seu automóvel de um colégio eleitoral na cidade de Taubaté, localizada a 130 quilômetros ao nordeste de São Paulo.

A polícia acredita que se tratou de uma vingança, pois Pedrosa, que estava aposentado, dirigiu o Carandiru quando aconteceu o maior massacre de presos da história do país, no qual morreram 111 detidos. A tragédia se deu em 2 de outubro de 1992, no pavilhão nove da prisão, que foi invadido por dezenas de policiais para controlar um motim.

Depois do massacre, Pedrosa foi transferido para a direção da prisão de segurança máxima de Taubaté, da qual se retirou há dois anos, quando optou pela aposentadoria.

"Pedrosa foi diretor da prisão da cidade e a investigação vai nesse sentido, mas não descartamos outras hipóteses", disse o delegado da Polícia Civil Paulo Bicudo, encarregado do caso.
 

EFE

Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.