1 evento ao vivo

Veja: escritório de mulher de Cabral multiplica receita com concessionárias

O escritório tinha 2% do faturamento vindo de concessionárias e prestadoras de serviços. Hoje, 60% da receita é fruto de empresas ligadas à Cabral

17 ago 2013
17h42
atualizado às 18h03
  • separator
  • comentários

Reportagem publicada na última edição da revista Veja aponta que o escritório Coelho & Ancelmo Advogados - que tem como sócia-proprietária a advogada Adriana Ancelmo, mulher do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral - saltou de três profissionais e 500 ações para um empreendimento com 20 advogados e cerca de 10 mil ações em seis anos. A receita, que era de R$ 2,1 milhões em 2006, passou para 9,5 milhões no ano passado. Segundo a reportagem, Adriana tem ganhos mensais de R$ 184 mil por sua participação no escritório, quase dez vezes o salário do marido como governador, que é de R$ 20,6 mil.  

De acordo com a Veja, antes do peemedebista tomar posse, o escritório de Adriana tinha 2% de seu faturamento vindo de concessionárias e prestadoras de serviços ao governo do Rio. Agora, 60% da receita é fruto de honorários recebidos de empresas que dependem do dinheiro da gestão de Cabral. Um ex-funcionário do departamento jurídico e dois advogados da MetrôRio, que hoje tem 197 ações trabalhistas na conta do escritório, disseram à revista que a empresa decidiu entregar suas causas a Adriana "por determinação de cima". A MetrôRio informou apenas que o escritório é um dos 18 contratados. Também estão na lista de clientes a Supervia (administra os trens urbanos e o teleférico do Alemão), a Telemar (principal acionista da Oi), a Light (fornecedora de energia), e empresas de serviços em saúde (Amil) e segurança (Facility). Todas disseram que o serviço foi contratado por critérios técnicos.

Cabral disse a Veja que não interfere nos negócios da mulher. A primeira-dama não quis conversar com a revista, mas o escritório disse em nota que "desde 2007, por deliberação dos sócios, não atua em processos administrativos e judiciais contra o Estado do Rio de Janeiro ou pessoas jurídicas por ele controladas, nem tampouco presta consultoria a seus clientes em matérias que envolvam interesse do Estado".

Cabral anuncia renúncia
Em entrevista à revista IstoÉ, o governador Sérgio Cabral anunciou que vai deixar o cargo entre janeiro e abril de 2014, passando o comando do Estado para o vice, Luiz Fernando de Souza, o Pezão, candidato à sua sucessão. "É a primeira vez que falo isso: estou seriamente inclinado a permitir que a população conheça o meu vice Pezão com tempo suficiente para conviver com ele como governador. Então, da mesma maneira que vários governadores deixaram o cargo para o vice disputar a eleição, eu estou pensando em fazer o mesmo", disse Cabral, que vive um dos piores momentos desde que assumiu o governo, com a intensificação de protestos contra a sua gestão.

 

 

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade