0

SP não pode aceitar todo mundo, diz movimento separatista

Grupo que pede a independência de São Paulo diz que repudia xenofobia, mas propõe controle rígido da entrada de pessoas; para movimento, governo Alckmin é “frouxo”

25 jan 2015
14h40
atualizado às 16h30
  • separator
  • comentários

“O Estado está inchado em população. Como vamos resolver isso? Expulsando as pessoas? Não. Mas precisamos procurar meios para que a população cresça de forma controlada. Temos um território relativamente pequeno e podemos ter cada vez mais crises de falta de água e de energia”.

Movimento São Paulo Independente (MSPI) marcou visita ao obelisco do Ibirapuera neste domingo, mas encontrou portões fechados
Movimento São Paulo Independente (MSPI) marcou visita ao obelisco do Ibirapuera neste domingo, mas encontrou portões fechados
Foto: Débora Melo / Terra

A declaração é do professor de história Júlio César Bueno, 24 anos, presidente do Movimento São Paulo Independente (MSPI), que defende a separação do Estado do restante do País e foi criado em 1992. O grupo, que tem cerca de 50 membros, havia marcado uma visita ao obelisco do Ibirapuera neste domingo, aniversário de São Paulo, mas encontrou os portões do monumento fechados – policiais informaram que a interdição era uma medida de segurança diante da “manifestação” convocada pelo grupo. Cerca de 20 pessoas compareceram ao ato.

De acordo com Bueno, o movimento “repudia” xenofobia, mas entende que é preciso controlar a entrada de pessoas no Estado. “Muita gente tende a nos relacionar com xenofobia, racismo, preconceito. Isso não bate com a realidade. Temos pessoas descendentes de nordestinos, de fé das mais variadas, homens e mulheres. Não tem discriminação”, diz.

<p>Júlio César Bueno, 24 anos, é presidente do MSPI e diz ter certeza de que São Paulo será independente um dia. "Não posso prever uma data, mas tenho essa convicção"</p>
Júlio César Bueno, 24 anos, é presidente do MSPI e diz ter certeza de que São Paulo será independente um dia. "Não posso prever uma data, mas tenho essa convicção"
Foto: Débora Melo / Terra

“Não é um movimento de segregação, mas um movimento de liberdade, de melhoria e inclusão social. Mas a gente não pode aceitar todo mundo em São Paulo. Temos um território limitado e precisamos controlar a entrada de pessoas., com uma lei baseada em critérios bastante objetivos. Não dá para entrar todo mundo em São Paulo”, continua o líder do MSPI.

Bueno diz ter “convicção” de que, com a independência, São Paulo teria condições de resolver todos os seus problemas. “O governo federal serve para produzir subdesenvolvimento. A gente sabe que o dinheiro que sai do Estado que paga mais impostos não vai para os Estados mais pobres. Esse dinheiro acaba se perdendo em corrupção”, afirma.

Crise da água
Apesar das críticas ao governo federal, Bueno diz que São Paulo poderia ser ainda mais próspero se os últimos governos não fossem “frouxos”. O Estado é governado pelo PSDB há mais de 20 anos.

“Faço críticas ao governador (Geraldo Alckmin), ao partido dele e a todos que o antecederam. É um governo frouxo. Os governantes paulistas poderiam ter resolvido a crise da água, mas eles não têm nenhum interesse em governar o Estado. Todos eles têm o objetivo final de chegar a Brasília, à Presidência da República. É assim com o Alckmin, foi assim com o Serra, com o Quércia, com o Franco Montoro, com o Maluf”, diz.

Questionado sobre o que São Paulo independente poderia fazer caso ficasse sem água, Bueno foi direto. “Nós não precisamos entrar em conflito com os demais Estados. A gente simplesmente compraria água. Nós temos dinheiro.”

<p>A aposentada Ligia Beatriz Abrão Jana, 59 anos, apoia o movimento. "A imigração está fora de controle. Nossos mananciais foram tomados. Mas ninguém quer expulsar ninguém"</p>
A aposentada Ligia Beatriz Abrão Jana, 59 anos, apoia o movimento. "A imigração está fora de controle. Nossos mananciais foram tomados. Mas ninguém quer expulsar ninguém"
Foto: Débora Melo / Terra

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade