0

Paes promete pedalar até o trabalho no Dia Mundial Sem Carro

21 set 2009
02h37
atualizado às 15h17

O prefeito Eduardo Paes e parte do secretariado vão experimentar nesta terça-feira a rotina típica de um carioca que não usa o carro como meio de transporte. O chefe do executivo municipal promete sair da residência oficial, na Gávea Pequena, às 6h, de bicicleta, rumo ao Palácio da Cidade, em Botafogo.

O esforço é para aderir com rigor ao Dia Mundial Sem Carro, que marcará a mudança definitiva na velocidade em 32 ruas de Copacabana. Nesta vias, o limite será de 30 km/h. Também estará proibido o estacionamento no quadrilátero formado pelas avenidas Rio Branco e Presidente Antônio Carlos e ruas Santa Luzia e da Assembleia, no centro.

No Centro, 48 guardas municipais vão orientar motoristas a não estacionarem em local proibido. Quem insistir será multado e poderá ter seus veículos rebocados.

Por decreto de Paes, amanhã está proibida a circulação de carros da prefeitura, com exceção para veículos operacionais. Também não será permitido o estacionar nas vagas dos prédios municipais. As restrições não valerão para veículos do Corpo de Bombeiros e das policiais Civil e Militar, ambulâncias e carros de fiscalização e operação de trânsito.

A Metrô Rio também vai aderir ao movimento: os funcionários da empresa usarão adesivo com os dizeres "Eu penso no futuro. Vou de metrô". A empresa prevê para o mês de outubro a inauguração de dois bicicletários gratuitos nas estações Irajá e Colégio.

"Cerca de 20% da população carioca utilizam o carro em seus deslocamentos diários", comenta o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, que prometeu sair de casa, na Zona Oeste, e seguir para Botafogo usando a integração ônibus-metrô. A secretária municipal de Educação, Claudia Costin, também já tem agenda definida para o dia: vai a pé visitar escola no Leblon e seguirá para a prefeitura, no ecntro, de ônibus.

Rodrigo Bethlem, secretário de Ordem Pública, vai ser a exceção: planeja circular de carro para fiscalizar o cumprimento das proibições.

Medidas alternativas à adoção de pedágio urbano
Na cidade de 2,2 milhões de veículos, segundo dados do Detran-RJ, o Dia Mundial Sem Carro vai servir como alerta para que a capital não tenha que adotar nos próximos anos o pedágio urbano, como já acontece em Londres, na Inglaterra.

A avaliação é do diretor da ONG Transporte Ativo, José Lobo. "A solução é o governo investir num transporte público de qualidade, construir ciclovias e facilitar a integração de metrô e ônibus", afirmou ele.

O Rio teve ontem uma prévia da mobilização de amanhã. Cerca de 20 mil ciclistas tomaram a orla para defender a adoção de alternativas ao automóvel e às formas poluentes de transportes. Eles saíram às 7h da Concha Acústica, em Niterói, e em quatro barcas, atravessaram a Baía, rumo à Praça 15. De lá, foram pelo Aterro até o Leme.

Os ministros Carlos Minc (Meio Ambiente) e Márcio Fortes (Cidades) aderiram ao Dia sem carro do Rio, assim como os secretários estaduais de Meio Ambiente e Transporte, Marilene Ramos e Júlio Lopes.

Veja também:

O Dia O Dia - © Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.
publicidade