0

Minc diz que governador que o atacou é homossexual enrustido

23 set 2009
10h39
atualizado às 10h41
Laryssa Borges
Direto de Brasília

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, voltou a ironizar o governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), e afirmou que o gestor é um "homossexual enrustido".

Na terça-feira, o governador classificou o ministro de "veado e fumador de maconha" e disse que o estupraria em praça pública caso voltasse ao Estado para participar de eventos ambientais.

"Ele deve fazer uma análise mais profunda da declaração dele sobre o estupro em praça pública e examinar e tratar com mais carinho o homossexualismo que existe dentro dele próprio e talvez aceitar isso com mais razoabilidade. O Freud (Sigmund Freud, psicanalista) explica que muitas pessoas que têm o homossexualismo enrustido tentam matar o homossexual que há dentro dele próprio", disse o ministro, descartando pretender processar Puccinelli pelas agressões. "Eu sou um defensor conhecido dos direitos dos homossexuais contra todos os preconceitos. Agora acho que o povo e os tribunais têm de julgar se ele está apto para exercer o governo do Estado."

Ainda na tarde de ontem, o próprio governador sul-matogrossense pediu desculpas pelas ofensas dirigidas ao ministro e, em nota, disse que se tratava de uma "brincadeira".

"É um ataque gratuito. Na verdade ele professou um estupro ao Pantanal e um estupro a ele próprio", afirmou Carlos Minc. "São os eleitores e naturalmente os tribunais que vão julgar se uma pessoa com esse nível de desequilíbrio está apta para exercer o governo do Estado. Esse nível para onde ele está levando o debate, mais para as páginas policiais ou para o divã de psicanalistas, deve ser julgado pelos eleitores ou pelos promotores que acharem que ele está incapacitado para exercer o governo do Estado."

Para o ministro, independentemente dos ataques feitos pelo governador, o governo continuará coibindo o plantio de cana-de-açúcar em regiões como o Pantanal e tentando evitar desequilíbrios ambientais promovidos pela agricultura sem controle.

"(O governador) É uma pessoa desequilibrada. Aliás, tem de um lado o desequilíbrio ambiental que ele provocaria se a gente deixasse destruir o Pantanal com cana-de-açúcar, e um desequilíbrio patológico também", ressaltou o ministro. "Estou acostumado a embate político com ruralistas, com governadores, mas em cima de ideias. Uma agressão como essa é difícil até imaginar como uma pessoa dessa pretende exercer o governo do Estado."

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade