0

Lula presta solidariedade a fundador do WikiLeaks preso

9 dez 2010
12h31
atualizado às 14h31
Luciana Cobucci
Direto de Brasília

Em discurso no evento de balanço de quatro anos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou solidariedade ao fundador do site WikiLeaks, o australiano Julian Assange. Lula se disse espantado por "não haver nenhuma manifestação" contra a prisão do australiano, acusado de agressão sexual a duas mulheres, e contra as retaliações que tem sofrido após a divulgação de documentos secretos de diplomatas americanos.

"Em vez de culpar quem divulgou, deve se culpar quem escreveu. Então eu presto minha solidariedade ao fundador do WikiLeaks", afirmou Lula, que ainda criticou a imprensa por não defender o direito de livre expressão de Assange. "O rapaz do WikiLeaks foi preso e eu não estou vendo nenhum protesto contra a ameaça à liberdade de expressão", disse.

Lula é o primeiro líder internacional a se manifestar de forma veemente contra a prisão de Assange. O presidente deu a entender que, apesar de Assange ser acusado de estupro na Suécia, sua prisão está relacionada à divulgação de dados sigilosos dos Estados Unidos. "Aí aparece o tal de WikiLeaks, desnuda a diplomacia que parecia inatingível, a mais certa do mundo, e começa uma busca. Eu não sei se não colocaram cartazes como no faroeste, de 'Procura-se, vivo ou morto', mas prenderam o rapaz", afirmou.

Imprensa
Durante o evento, Lula comentou a relação da imprensa com seu governo ao longo dos oito anos de seus mandatos. "Nós resolvemos fazer uma coletiva a cada quatro meses (para divulgar os resultados do PAC). O governo (...) se desnudava diante da imprensa. Nunca houve censura, nunca houve pergunta proibida e nunca houve pergunta sem resposta. E, muitas vezes, as manchetes colocavam em dúvida o sucesso do PAC", disse.

"Eu tomei a decisão de não colocar prazo (para a conclusão das obras), porque se a gente erra por um dia, qual é a manchete? 'Lula fracassa'. 'Prometeu em um ano e entregou em um ano e um dia'", ironizou.

O presidente ainda fez um pedido para que os jornalistas viajassem pelo Brasil para ver o impacto de suas obras na qualidade de vida da população. "Eu queria que, quando eu deixasse a Presidência, a imprensa fizesse uma viagem que não fez durante o meu mandato. Que vocês fossem ao canal de São Francisco, que não fossem com olhar de jornalista, mas com olhar de brasileiro, para vocês perceberem o que significa aquela obra", sugeriu.

WikiLeaks
Assange, cujo site WikiLeaks está no centro de uma controvérsia mundial após ter divulgado documentos diplomáticos secretos dos Estados Unidos, se apresentou na última terça-feira ao tribunal de Londres, no Reino Unido, onde se entregou às autoridades em cumprimento de uma ordem de prisão sueca por suposto estupro.

Segundo o jornal americano The New York Times, as acusações a Assange são baseadas em encontros sexuais com duas mulheres. As relações, que começaram consentidas pelas envolvidas, acabaram não consentidas quando Assenge não quis mais usar camisinha. A Suécia expediu o primeiro mandado de prisão para Assange em 18 de novembro, mas a ação foi invalidada por um erro processual. Um novo mandado foi emitido em 2 de dezembro.

O crime de que ele está sendo acusado é o menos grave de três categorias de estupro. A pena máxima prevista é de quatro anos na prisão. O WikiLeaks, que despertou a fúria de Washington com suas publicações, prometeu continuar com a divulgação dos 250 mil documentos secretos obtidos.



Fonte: Redação Terra

compartilhe

publicidade
publicidade