4 eventos ao vivo

Kátia Abreu se divide entre deixar ministério ou o PMDB

Segundo o Valor Econômico, mesmo sendo próxima de Dilma, ministra estaria sendo pressionada por entidades do agronegócios e correligionários

21 mar 2016
12h22
  • separator
  • comentários

Diante do agravamento da crise política e da maior expectativa em relação a um impeachment da presidente Dilma Rousseff, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, estaria dividida entre deixar o cargo ou se desfiliar do PMDB, que deve desembarcar do governo no final deste mês, segundo informações do jornal Valor Econômico.

Mesmo sendo muito próxima de Dilma, a ministra estaria sendo pressionada por entidades do agronegócios e correligionários, como o presidente do Senado, Renan Calheiros, que defendem o impedimento da petista.

Sob pressão, Kátia Abreu pode migrar para o PSD caso decida permanecer no ministério da Agricultura
Sob pressão, Kátia Abreu pode migrar para o PSD caso decida permanecer no ministério da Agricultura
Foto: Senado Federal/flickr / O Financista

Na semana passada, instituições como Abag (Aprojosa, Associação Brasileira do Agronegócio) e a bancada ruralista do Congresso criticaram abertamente as dificuldades do governo de achar soluções para as crises política e econômica e defenderam o impeachment de Dilma.

Outro ponto que pode pesar na decisão de Kátia é a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o comando da Casa Civil, pois isso desarrumaria a rotina que a ministra tem com Dilma e colocaria em risco vitórias políticas importantes alcançadas pela pemedebista.

Se sair do ministério, Kátia, que tem pretensões de pleitear o governo de Tocantins ou até mesmo a Presidência da República no futuro, voltaria ao Senado e retomaria o comando da CNA.

De acordo com a publicação, se quiser permanecer no cargo, a ministra pode migrar para o PSD, partido da base aliada, de onde saiu em 2013 para entrar no PMDB. O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que é presidente do PSD, já teria feito o convite para Kátia se reincorporar à legenda e permanecer no governo, caso tenha que deixar o PMDB.

O Financista Todos os direitos reservados

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade