Política

publicidade
06 de janeiro de 2013 • 07h46

Governo mantém em sigilo 46% dos gastos com cartões corporativos

 

Quase metade dos gastos do governo federal com cartões corporativos foram mantidos em sigilo em 2012, apesar da entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, informa a edição deste domingo do jornal Estado de S.Paulo. A justificativa para a não divulgação dos dados é que as informações seriam estratégicas para a segurança da sociedade e do Estado brasileiro. 

Até setembro - os dados do último trimestre ainda não foram compilados pela Controladoria-Geral da União (CGU) -, 46,2%, R$ 21,3 milhões, dos R$ 46,1 milhões gastos pelos mais de 13 mil cartões à disposição de órgãos do governo federal foram secretos. A maioria das transações foi efetuada pela Presidência da República, em que 95% das compras e saques são sigilosas, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e Polícia Federal. Segundo a legislação, os cartões corporativos, criados em 1998 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, devem ser usados como exceção para suprir despesas excepcionais ou de pequeno vulto. 

Terra Terra