1 evento ao vivo

Fidelix diz não ser "homofóbico", mas ataca novela da Globo

Ex-candidato à Presidência, condenado a pagar R$ 1 milhão por dizer na TV que “aparelho excretor não reproduz”, chamou novela com casal de lésbicas de “agressão”

17 mar 2015
17h50
atualizado às 19h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ex-candidato à Presidência da República Levy Fidelix (PRTB) disse nesta terça-feira que irá recorrer da decisão judicial que o condenou a pagar multa de R$ 1 milhão pelas declarações homofóbicas que deu durante um debate transmitido pela TV Record na campanha eleitoral de 2014.

<p>"Começou Babilônia, uma agressão ao povo brasileiro. Temos uma inversão de valores no País", disse Levy Fidelix</p>
"Começou Babilônia, uma agressão ao povo brasileiro. Temos uma inversão de valores no País", disse Levy Fidelix
Foto: Débora Melo / Terra

Na ocasião, Fidelix afirmou que “dois iguais não fazem filho” e que “aparelho excretor não reproduz”. Hoje, em entrevista coletiva na Câmara dos Deputados, o ex-candidato negou que seja homofóbico e disse que estava apenas expressando a sua opinião.

“Não sou de maneira nenhuma homofóbico, nem ataquei ninguém”, afirmou. “Foi um ponto fora da curva. Eu respondi à cidadã, à candidata Luciana Genro (PSOL), sobre a questão homoafetiva. Eu tenho direito de pensar diferente. Ela tem direito de pensar diferente. No calor das palavras, se eventualmente eu fui forte e firme, isso é natural”, continuou.

Fidelix, no entanto, disse que suas palavras no debate foram “pertinentes”.

“As declarações feitas naquela oportunidade foram pertinentes porque eu estava respondendo à questão homoafetiva. Eu disse ‘sou contra’, e continuo sendo contra. Eu estava representando o povo brasileiro, que visceralmente é contra esses movimentos. Todo mundo sabe.”

Novelas
Na sequência, o ex-candidato afirmou que as novelas da TV Globo representam uma “agressão ao povo brasileiro”. Como exemplos, ele citou a novela Império, que terminou na última sexta-feira e tinha um personagem homossexual vivido pelo ator José Mayer, e também a nova novela Babilônia, que estreou ontem e já no primeiro capítulo exibiu um beijo entre as atrizes Nathália Timberg e Fernanda Montenegro, que formam um casal de senhoras lésbicas.

“A Globo está lá com suas novelas. Terminou Império, aquela agressão ao povo brasileiro. Começou Babilônia, uma agressão ao povo brasileiro. Então nós temos uma inversão de valores no País. As pessoas estão querendo impor convicções que nós não estamos acostumados a tê-las”, afirmou. “Não está regulamentado na Constituição Federal outra coisa que não seja que a família é formada por homem e mulher”, completou.

A culpa é do PT
Na entrevista, Fidelix disse ainda que acredita que a condenação ao pagamento de multa seja "perseguição do PT".

“Para mim, é uma perseguição do PT. O conjunto da peça me leva a crer que há, digamos, uma perseguição política nesse caso”, disse. “Esse governo que aí está, da presidente Dilma, está dividindo o povo brasileiro, está afrontando, está inclusive financiando grupos organizados para atacarem os pais de família. Nós temos um senso de que isso é realmente para dividir o povo brasileiro”, encerrou.

A ação por danos morais contra Fidelix foi aberta pela Defensoria Pública de São Paulo e aceita pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que determinou a aplicação da multa. Na sentença, a juíza Flavia Poyares Miranda disse que Fidelix “ultrapassou os limites da liberdade de expressão, incidindo em discurso de ódio e pregando a segregação do grupo LGBT”.

Polêmico, Fidelix diz que ciclovia não é para transporte

Levy Fidelix sobre debate: "Não estou aqui para ser simpático"

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade