Política

publicidade
21 de outubro de 2009 • 07h26 • atualizado às 07h29

Em 2ª tentativa, CPI do MST deve ser criada nesta quarta-feira

Marina Mello
Direto de Brasília

A CPI mista que vai investigar supostas irregularidades em repasses feitos pela União ao Movimento Rural dos Trabalhadores Sem Terra (MST) deve ser criada nesta quarta-feira, depois que o requerimento que pede a criação da comissão for lido em sessão do Congresso Nacional.

O requerimento que pede a criação da CPI foi protocolado nesta terça-feira pelo DEM, mas a comissão só será efetivamente criada se, depois de sua leitura em sessão conjunta do Congresso, mantiver o número mínimo de assinaturas de 171 deputados e de 27 senadores até a 0h de quinta-feira. Esta é a segunda tentativa de instalação da comissão. Na primeira, a base conseguiu retirar nomes de parlamentares suficientes para invalidar o requerimento.

Como já temia uma nova retirada em massa de assinaturas, dessa vez a oposição só protocolou o requerimento depois de ouvir do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um compromisso de que haveria sessão do Congresso impreterivelmente nesta quarta-feira.

O deputado Dr. Rosinha (PT-PR) já afirmou que vai comandar um movimento de retirada de assinaturas, começando a busca por parlamentares que integram a base governista. Como na Câmara 68 deputados da base aliada assinaram o documento, ele acredita que, apesar do curto espaço de tempo, ainda poderá obter sucesso em sua tentativa. "Quanto mais parlamentares da base assinarem, mais possibilita a retirada. A única questão é o tempo que é muito curto. Da outra vez tivemos uma semana, agora temos que trabalhar num ritmo acelerado", disse.

Por outro lado, os deputados do DEM afirmam terem feito uma "coleta seletiva" de assinaturas de parlamentares comprometidos com o setor rural. Por esta razão, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) acredita que poucos serão os que terão coragem de retirar seu nome e terem depois que se explicar em suas bases, ainda mais em ano pré-eleitoral. Além disso, ele afirma que todas as retiradas serão divulgadas pelo partido via internet e, consequentemente, pela imprensa.

Terra