1 evento ao vivo

Só Haddad tem condições de resolver problemas de SP, diz Maluf

18 jun 2012
13h52
atualizado às 15h42

Renan Truffi
Thiago Tufano
Direto de São Paulo

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) declarou oficialmente, no início da tarde desta segunda-feira, o apoio de seu partido ao pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. O anúncio foi feito na casa de Maluf, no Jardim Europa, zona oeste de São Paulo, e teve presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além do próprio Haddad.

"Política é como futebol: algumas pessoas podem não gostar de mim, mas têm que reconhecer que eu conheço os problemas da cidade de São Paulo", afirmou Maluf, justificando seu apoio. "E quem tem condição de resolver esses problemas? É quem tem parceria com o governo federal: é o futuro prefeito de São Paulo, Fernando Haddad."

Maluf também agradeceu a Lula, que compareceu ao evento "apesar de recomendação médica". "O Lula está entre os melhores presidentes do Brasil", afagou Maluf.

O PT dava como certa a aliança com o PP já no fim da semana passada. Após um desentendimento de Maluf na negociação com o PSDB, o líder do partido começou a conversar com os petistas. A decisão final veio com intervenção da esfera federal: depois de passar alguns dias afirmando que o PMDB e os tucanos ainda estavam entre as opções de alianças, o PP conseguiu emplacar Osvaldo Garcia em uma secretaria do Ministério das Cidades, sob o comando do ministro Aguinaldo Ribeiro (PP). Mesmo não sendo correligionário, Garcia é próximo a Maluf.

Chapa esquisita
A aliança de Haddad com o PP ocorre poucos dias após acertar com a ex-prefeita Luiza Erundina (PSB) o cargo de vice de sua chapa. A união de dois ex-prefeitos que se opõem histórica e ideologicamente na mesma candidatura causou estranheza e algumas farpas.

"Eu derrotei Maluf em 88 e ele não vai fazer gestão nenhuma. Ele não vai ser o prefeito e nem o vice-prefeito", disse Erundina na sexta-feira, ao oficializar seu apoio a Haddad. "Vou fazer campanha junto do povo, na periferia, nas favelas, nos cortiços. Não sei se o PP se encaixa porque não sei se eles concordam com nosso projeto." Ela, que também é deputada federal por São Paulo, afirmou que se sentiria "desconfortável" caso suba no mesmo palanque que Maluf.

No evento de hoje, Haddad minimizou a fala de Erundina. "Compreendo as declarações, porque 20 ou 24 anos atrás o contexto político era outro", disse ele. "Mas hoje, nós temos um projeto político de poder que está dando certo. Com isso, temos que avaliar o que é melhor para a cidade."

"Eles estão com Deus e o Diabo", alfinetou no sábado o pré-candidato do PDT, Paulinho da Força, durante a convenção do partido. Segundo ele, que disputa os votos da esquerda com o PT e poderia ter parte da militância atraída por Erundina, a parceria com Maluf vai tratar de afastar o eleitorado fiel. "Eu não sei como é que essa militância histórica que a Erundina tem em São Paulo vai ver o Maluf do lado dela. Acho que eles têm um problema pela frente."

O PP, que elegeu 44 deputados federais nas últimas eleições, dá ao petista 1 minuto e 43 segundos a mais de exposição na propaganda eleitoral gratuita na TV e no rádio.

Fonte: Terra
publicidade