1 evento ao vivo

Serra critica discurso de "renovação" do PSDB após derrota em SP

31 out 2012
09h01
  • separator

Após ser derrotado no segundo turno da disputa pela prefeitura de São Paulo, José Serra (PSDB) teria enviado e-mails e feito ligações a correligionários criticando a adoção do discurso sobre a necessidade de "renovação". Segundo O Estado de S. Paulo, o tucano afirmou que a tese, defendida por seus aliados depois do resultado das urnas no domingo, 28, só interessava ao PT, e que a ideia de trazer novos nomes ao PSDB seriam uma traição à candidatura do ex-governador paulista. Serra teria afirmado que sua candidatura surgiu de pressão do partido, que o via como melhor opção para vencer os petistas. Lula, principal defensor da candidatura do ex-ministro Fernando Haddad (PT), que se elegeu em 2012, acreditava que o partido do governo federal precisava de um nome novo e com maior inserção na classe média em São Paulo. Até então, Marta Suplicy (PT) era a candidata do partido, enquanto Serra e Alckmin se revezavam na disputa pelo lado dos tucanos.

Serra foi derrotado por Haddad por 55.57% a 44.43%, números próximos aos das pesquisas de intenção de voto divulgadas ao longo da semana
Serra foi derrotado por Haddad por 55.57% a 44.43%, números próximos aos das pesquisas de intenção de voto divulgadas ao longo da semana
Foto: Léo Pinheiro / Terra

Veja o cenário eleitoral no País
Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais

Serra também criticou as declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ainda no domingo, de que "a renovação é necessária sempre e o Brasil está mostrando isso mais uma vez". FHC ressaltou que o candidato derrotado à prefeitura paulistana ainda tem "possibilidade de continuar sua carreira" e que a entrada de novos integrantes ao partido não elimine os "antigos líderes". Serra ainda avaliou, no contato com correligionários, que os principais pontos fracos de sua campanha foram a rejeição do atual prefeito Gilberto Kassab (PSD) e o fato de que o tucano abandonou a prefeitura após um ano e três meses de mandato em 2006, quando se elegeu ao governo do Estado. Depois que Serra conversou com seus aliados, alguns deles também rejeitaram a tese da renovação. Aloysio Nunes (PSDB-SP) disse no Senado, na segunda, que "muitos daqueles que hoje falam 'ah, o novo' imploraram para José Serra ser candidato a prefeito de São Paulo", e o ex-governador Alberto Goldman classificou como "bobagem" a ideia de que "a renovação é a escolha de pessoas jovens".

Veja também:

Após pressão, Ministério da Saúde anuncia compra da vacina da Pfizer e negociação com a Janssen
Fonte: Terra
publicidade