0

Rádio: entre ataques, Serra fala de educação e Haddad de saúde

17 out 2012
07h23
atualizado às 07h28

Enquanto José Serra (PSDB) focou no ensino técnico e profissionalizante na capital durante na propaganda eleitoral veiculada nas rádios na manhã desta quarta-feira, Fernando Haddad (PT) falou especialmente sobre a saúde em São Paulo. Entre propostas e ideias, os candidatos também trocaram críticas e se defenderam de acusações. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) participou do programa de Serra e um depoimento da presidente Dilma Rousseff foi veiculado na propaganda de Haddad.

Veja os salários dos prefeitos e vereadores das capitais

O programa de José Serra prometeu aumentar de 65 mil para 100 mil vagas para ensino técnico, além da criação de cursos de ensino profissionalizante, com aulas acontecendo especialmente nos CEUs da cidade e no período da noite. Serra prometeu também criar o Protec, uma bolsa de estudos para quem não conseguir vaga nas Etecs. O programa usou o assunto para atacar o adversário, afirmando que Haddad não criou vagas técnicas quando era ministro da Educação.

Mais uma vez, o vice, Alexandre Schneider (PSD), ficou encarregado de atacar o petista, dizendo que não ganhou recursos do ex-ministro para investir na educação, chamando de "nebulosa" a atuação de Haddad. E como tem acontecido em programas anteriores do PSDB, a ex-prefeita Marta Suplicy (PT) também foi criticada, e sua gestão foi qualificada como uma "lambança" pelos tucanos.

Já Fernando Haddad criticou o desempenho de Serra na saúide da cidade. "As pessoas estão se sentindo desrepeitadas, indignadas. E o Serra foi eleito prefeito e prometeu resolver o problema da saúde em São Paulo, e a só piorou. E não por falta de dinheiro", disparou o candidato. Haddad falou então sobre sua proposta de Rede Hora Certa, que são centros de saúde nas subprefeituras que reunirão em um mesmo lugar consultas, exames e pequenas cirurgias.

O petista prometeu também criar um plano de carreira para os médicos, além da construção de hospitais em Vila Matilde, Brasilândia e Parelheiros, bairros de diferentes regiões da capital.

O programa do PT também comentou propostas para o trânsito, como o Bilhete único Mensal e o Arco do Futuro, medida para desafogar o trânsito, além da criação de vias e ampliação de corredores de ônibus.

Haddad se defendeu dos ataques de Serra sobre sua atuação como ministro da Educação. "Eu fiz e muito. Não fiz mais porque a prefeitura não deixou. Garanti recursos para creches e não foram buscar. Só avançamos no que não dependia da prefeitura", disse ele, citando, entre outros, o ProUni.

O programa petista foi encerrado com um depoimento da presidente Dilma Rousseff, que elogiou Haddad e pediu votos para o candidato, além de comemorar o bom desempenho nas pesquisas, o que chamou de "excelente notícia". "Ele será um sopro de renovação (na prefeitura)", afirmou a presidente.

Fonte: Terra
publicidade