PUBLICIDADE

Pimentel: transição será "por cima", sem negociação regional

3 nov 2010 17h50
Publicidade
Juliana Prado
Direto de Belo Horizonte

Apesar de Estados estratégicos como Minas Gerais já estarem de olho em sua cota de participação no futuro governo Dilma Rousseff (PT), a divisão do espaço não passará por discussões regionais. Quem garante é o candidato derrotado ao Senado, ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT). Atuando "informalmente", segundo ele mesmo diz, no grupo que irá coordenar a transição de governo, Pimentel deixa claro que as conversas serão feitas "por cima", em referência à seara das direções nacionais de partidos.

"Tudo será conduzido nacionalmente, não vai ter negociação regional", pontua. Segundo o ex-prefeito da capital, que está no grupo que cuida da transição por ser da cota pessoal de Dilma, a afobação por espaço pode não ser benéfica neste momento. "É preciso esperar para ver como as coisas vão acontecer. Estamos ainda num primeiro momento de estruturação e de montar as equipes técnicas".

O representante de Minas no grupo afirma que a tendência, óbvia, é de que o PT vá manter um amplo espaço na cota de governo na gestão Dilma. Hoje, a sigla detém nada menos que 15 ministérios, seguidos do PMDB, com seis. Segundo Pimentel, o partido do vice Michel Temer vai querer manter sua parcela atual.

Ao ser questionado sobre seu próprio futuro, o ex-prefeito de Belo Horizonte, cotado para o primeiro escalão, reage contrariado: "Parece que eu estou num inquérito. Eu não sei qual será a minha participação. A Dilma já falou que não vai adiantar nada (sobre cargos)".

Cautela
Também evitando mostrar cobiça por espaço, o PMDB de Minas pisa em ovos quando o assunto é a cota de participação no governo. O presidente estadual da sigla, deputado federal Antonio Andrade, diz que está acompanhando as conversas do grupo de transição, mas com cautela. Ele admite que, com a segunda bancada federal, com sete deputados, o PMDB mineiro tem legitimidade para fazer gestões.

"Estamos trabalhando no sentido de ampliar participação sim. Minas e Rio são as bancadas mais fortes do PMDB. Vamos abrir um espaço para o Estado, mas as negociações ainda estão no começo", pondera. Ele também faz questão de dizer que quem irá coordenar as discussões sobre espaços a serem ocupados é o vice de Dilma, Michel Temer.

Antonio Andrade defende que os partidos aliados do governo Lula fiquem com o mesmo naco na gestão da futura presidente. "O mais correto, na minha opinião, é que partidos da aliança fiquem com a fatia que já têm. Mas é claro que a decisão é da Dilma". O dirigente mineiro acredita que o fato de o PMDB ter conquistado a vice-presidência já representa, por si só, a conquista de um lugar privilegiado.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade