Eleições

publicidade
04 de maio de 2010 • 18h57

Maluf articula apoio e tempo de TV do PP a Serra

 
Laryssa Borges
Direto de Brasília

Assumindo o papel de um dos articuladores do PP para a campanha do tucano José Serra, o deputado e ex-governador Paulo Maluf (PP-SP) tem coordenado as negociações para o fechamento dos pepistas com o projeto do PSDB e, com isso, o partido garantir mais tempo de televisão ao adversário da ex-ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à presidência da República.

Nesta quarta-feira (5), o PSDB volta a negociar o apoio dos diretórios do PP na região sul, considerados os mais fortes da agremiação. Maluf mediou, por exemplo, uma reunião que deve acontecer na manhã desta quarta entre o presidente tucano, Sergio Guerra, e a pré-candidata do PP ao governo de Santa Catarina, Angela Amin.

Os pepistas do Rio Grande do Sul não conseguiram um acordo com os tucanos sobre a coligação majoritária. O diretório estadual volta a se reunir também nesta quarta para tentar fechar o apoio político. A proposta do PP gaúcho para coligar com os tucanos inclui a indicação de vice-governador na chapa de Yeda Crusius, uma vaga ao Senado e a coligação nas eleições proporcionais à Assembleia Legislativa e à Câmara de Deputados.

Cotado para integrar a chapa do tucano José Serra à presidência da República, o senador Francisco Dornelles (PP-RJ), presidente nacional do PP, almoçou nesta tarde com a pré-candidata Dilma Rousseff, mas disse que qualquer acordo em nível regional não significa necessariamente que o partido já tenha a resposta sobre sua preferência em nível regional.

"Os diretórios regionais ou estaduais do partido têm amplos poderes para tomar o caminho que desejarem nas coligações estaduais. Vamos ter uma reunião no final de maio para definir a posição do partido nas eleições federais e cada diretório estadual deve trazer seu posicionamento", disse Dornelles. "Cada militante do partido, vereador, deputado estadual podem conversar e discutir com quem quiser e com quem desejar todos os problemas de natureza política, mas a decisão (sobre a aliança nacional) vai caber à Executiva Nacional do partido", completou.

A Executiva Nacional do PP se reúne no final de maio para fazer um balanço das propostas dos diretórios para o apoio presidencial e tentar fechar sua posição na corrida pelo Palácio do Planalto.

Terra